This content is not available in your region

Guerra dos Balcãs: Croácia assinala o Dia da Memória de Vukovar

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com AFP, Croatia Week
Guerra dos Balcãs: Croácia assinala o Dia da Memória de Vukovar

<p>Esta sexta-feira, 18 de novembro, assinalam-se os 25 anos sobre o fim do trágico cerco de Vukovar, cidade croata junto à fronteira com a Sérvia e palco de um dos mais sangrentos episódios da Guerra dos Balcãs, tendo ficado conhecida como a primeira cidade na Europa a ser destruída por bombas depois do fim da II Guerra Mundial.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Only 25 years ago,2000 Croats defended their city against 36,000 <span class="caps">JNA</span> & Serb paramilitaries.Do you remember <a href="https://twitter.com/hashtag/VUKOVAR?src=hash">#VUKOVAR</a>? <a href="https://t.co/suZBNCVc18">pic.twitter.com/suZBNCVc18</a></p>— I Spehar (@ispehar) <a href="https://twitter.com/ispehar/status/799306234897829890">17 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Para lembrar as mais de três mil vítimas, entre mortos, feridos e desaparecidos, foi criado este Dia da Memória de Vukovar. </p> <p>Na noite anterior, por toda a Croácia são acesas milhares de velas para recordar as vítimas desta batalha que ficou ligada à independência croata. Esta quinta-feira não foi exceção. </p> <p>Só na capital, Zagreb, terão sido acesas mais de 8000 velas a iluminar a Rua Vukovar.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Candles to be Lit Tonight for 25th Vukovar Remembrance Day Commemoration <a href="https://t.co/3cFpnl9o4U">https://t.co/3cFpnl9o4U</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/VukovarRemembranceDay?src=hash">#VukovarRemembranceDay</a> <a href="https://t.co/VzIrpLcFYR">pic.twitter.com/VzIrpLcFYR</a></p>— CroatiaWeek (@CroatiaWeek) <a href="https://twitter.com/CroatiaWeek/status/799249773106753536">17 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Um quarto de século depois, os responsáveis pela perseguição e tortura de muitos dos resistentes nesta pequena cidade croata ainda são procurados para serem levados à justiça. Alguns dos suspeitos têm agora cargos políticos, por exemplo na Sérvia, sendo por isso difícil intima-los. </p> <p>Um caso já julgado em Haia é conhecido, o dos “três de Vukovar”: Mile Mrksic, Veselin Šljivančanin e Miroslav Radić foram acusados de crimes contra a humanidade. Um quarto suspeito, Slavko Dokmanović, foi detido, mas suicidou-se na prisão.</p> <p>O drama vivido é mantido vivo na zona, em diversos memoriais. Por exemplo, no hospital onde muitos dos feridos foram tratados durante o cerco e que ainda hoje funciona com um museu na cave. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Only 25 years ago, Europe saw the biggest atrocities since the Second World War. Do you remember <a href="https://twitter.com/hashtag/Vukovar?src=hash">#Vukovar</a>? <a href="https://t.co/ByHoxxclLz">pic.twitter.com/ByHoxxclLz</a></p>— I Spehar (@ispehar) <a href="https://twitter.com/ispehar/status/798598202781999104">15 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Quando o hospital foi tomado, há relatos de mais de 200 pessoas terem sido levadas e executadas cinco quilómetros a sul de Vukovar.</p> <p>Foi numa quinta em Ovcara, na noite de 21 para 22 de novembro. As vítimas executadas foram enterradas numa vala comum — hoje há um monumento também neste local.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Only 25 years ago – Serb forces took 300 innocent hospitalized civilians to the Ovčara, beat & executed them. Do you remember <a href="https://twitter.com/hashtag/Vukovar?src=hash">#Vukovar</a> ? <a href="https://t.co/X0PSaVADN5">pic.twitter.com/X0PSaVADN5</a></p>— I Spehar (@ispehar) <a href="https://twitter.com/ispehar/status/798986096944128001">16 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O advogado e presidente da Associação Vukovar 1991 conta-nos que esteve, em julho, em Belgrado, capital da Sérvia, e falou com a procuradora-chefe adjunta, responsável pelos crimes de guerra. “Ela admitiu sem rodeios que até hoje nada foi feito, nem uma só investigação. Até à nossa visita, os políticos não permitiram que o processo andasse em relação às acusações criminais”, acusou Zoran Sangut.</p> <p>As autoridades de Zagreb estimam que mais de 20 mil croatas e outros não sérvios terão sido expulsos de Vukovar, cidade onde antes da guerra dos Balcão terão residido mais de 80 mil pessoas, divididos entre croatas e sérvios. O presidente do conselho municipal garante ser “impossível aos agressores ainda andarem livres pelas ruas de Vukovar”. </p> <p>“Por outro lado, em quantos casos foram presos os defensores croatas nas fronteiras? Nem no nosso país podem viver em liberdade”, lamenta Igor Gavric, croata destacado em Vukovar e descrito na Sérvia como um fascista depois de ter sido registado em vídeo (em baixo) a cantar uma canção da Ustaše, o regime de extrema-direita colocado no poder croata por alturas da II Guerra Mundial.</p> <div style="float: none; clear: both; width: 100%; position: relative; padding-bottom: 56.25%; padding-top: 25px; height: 0;"> <iframe style="position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%;" src="https://www.youtube.com/embed/oyXlD1XyP5s" frameborder="0" allowfullscreen></iframe> </div> <p>O cerco de Vukovar começou a 25 de agosto de 1991 e durou quase três meses, até 18 de novembro. Mais de 35 mil soldados do exército da antiga Jugoslávia contra apenas 1800 entre elementos da guarda nacional croata e voluntários civis. </p> <p>De acordo com dados do hospital de Vukovar, 1624 pessoas foram mortas, incluindo 12 crianças, e 2557 ficaram feridas e mais de 350 soldados croatas foram dados como desaparecidos. Depois da tomada de Vukovar, centenas de civis terão sido levados para campos de concentração na Sérvia e foram torturados, violados e alguns executados.</p> <div style="float: none; clear: both; width: 100%; position: relative; padding-bottom: 56.25%; padding-top: 25px; height: 0;"> <iframe style="position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%;" src="https://www.youtube.com/embed/oNd-OmF2Q10" frameborder="0" allowfullscreen></iframe> </div> <p>Em 2005, o Tribunal Especial de Belgrado condenou 16 suspeitos relacionados às execuções de pacientes e civis capturados no hospital de Vukovar. O tribunal regional de Vukovar abriu processos contra 235 suspeitos de crimes de guerra. Meia centena foi condenada, mas apenas sete cumpriram pena de prisão.</p>