Última hora

Em leitura:

Síria: Hospital pediátrico bombardeado na zona rebelde de Alepo


Síria

Síria: Hospital pediátrico bombardeado na zona rebelde de Alepo

O bombardeamento de um comboio humanitário em Alepo, em setembro, pode ser submetido ao Conselho de Segurança da ONU como um crime de guerra.

O anúncio foi feito pelo vice-Secretário-Geral da ONU no seu último discurso em Genebra, antes de abandonar o cargo.

Jan Eliasson afirmou que uma equipa de três investigadores já se encontra no terreno, antes de ser corrigido pela porta-voz da ONU, que afirma que a equipa é formada por cinco pessoas e que ainda não chegou ao local do ataque.

Eliasson reconheceu que, “a investigação é uma missão difícil”, tendo alertado para a possibilidade de algumas provas terem sido manipuladas.

A autoria do ataque tinha sido atribuída à Rússia por responsáveis norte-americanos.

Moscovo rejeita, no entanto, qualquer responsabilidade, tendo chegado a sugerir que o bombardeamento teria sido uma encenação.

A ação provocou a morte de 20 pessoas, destruíndo 18 camiões da ONU e do Crescente Vermelho.

O braço de ferro em torno do ataque ocorre num momento em que se intensifica a ofensiva síria sobre as zonas rebeldes de Alepo.

O único hospital pediátrico da zona sitiada foi alvo de um bombardeamento esta sexta-feira, durante uma nova vaga de pelo menos trinta ataques.

Moscovo negou que os aviões russos tenham participado nos bombardeamentos desta semana em Alepo.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Nova Zelândia

Ajuda humanitária chega à cidade da Nova Zelândia atingida por terramoto