Última hora

Última hora

Alemanha: Pilotos da Lufthansa anunciam mais um dia de greve para sábado

O grupo alemão prevê garantir 95% dos voos - mas os 137 de longo curso que serão anulados vão afetar 30.000 passageiros

Em leitura:

Alemanha: Pilotos da Lufthansa anunciam mais um dia de greve para sábado

Tamanho do texto Aa Aa

Este sábado, os aviões da Lufthansa deverão continuar parados, no quarto dia consecutivo da greve de pilotos. O grupo alemão prevê garantir 95% dos voos – mas os 137 de longo curso que serão anulados vão afetar 30.000 passageiros.

Point of view

Sim, as greves causam danos financeiros. É o objetivo de uma greve: exercer pressão sobre a direção

Joerg Handwerd Porta-voz do sindicato de pilotos Vereinigung Cockpit

Esta sexta-feira, 800 voos foram anulados, com impacto em 100.000 pessoas. Nem sempre compreensivas face à greve.

“Claro que fomos afetados”, lamenta um passageiro, que explica: “Queremos ir para Roma. Somos um grupo grande e agora temos de dividir-nos em três aviões diferentes e, provavelmente, só chegaremos à noite. Não é nada agradável. Acredito que os grevistas têm exigências que não podem ser satisfeitas e que são injustificadas. Mas é assim.”

Os pilotos exigem uma revalorização retroativa dos salários em seis anos de 3,66%. A Lufthansa oferece 2,5% até 2019 e diz já pagar melhor que a concorrência.

Segundo a direção, um copiloto em início de carreira ganha 6500 euros brutos por mês; um comandante em fim de careira, mais de 22.000.

O movimento de greve desta semana é o décimo quarto, desde 2014, e, com 2755 voos anulados desde quarta-feira, já afetou mais de 345 mil passageiros, o que custa, à empresa, entre 10.000 e 30.000 euros por dia.

“Sim, as greves causam danos financeiros”, admite Joerg Handwerd, porta-voz do sindicato de pilotos Vereinigung Cockpit, que continua: “É o objetivo de uma greve: exercer pressão sobre a direção. Mas como isto afeta muitas pessoas, muitos clientes, claro que seria preferível pôr fim ao conflito de outra maneira. Mas, para isso, precisamos de compromissos, e os compromissos só são possíveis se cada um estiver disposto a dar um passo na direção do outro.”

Mas direção e sindicato mantêm as mesmas posições desde a primavera de 2014, quando o conflito começou.