Última hora

Em leitura:

Igreja Católica vs Igreja Ortodoxa


Mundo

Igreja Católica vs Igreja Ortodoxa

História

Numa tarde de verão, em 1054, depois de várias trocas com o Patriarca de Constantinopla, o representante do Papa, o cardeal Humbert, entrou no principal local de culto da cidade, Santa Sofia, colocou um documento no altar e saiu rapidamente. O documento era uma Bula de Excomunhão, expulsando fiéis – um documento que lhes fechava as portas do céu. Este gesto dramático assinala a divisão; a igreja passou a ficar dividida – nasceram assim a Igreja Ortodoxa e a Igreja Católica Romana.

Mas a história é, claramente, mais complexa. No final do primeiro milénio a união da Igreja já era frágil. Quinhentos anos antes as discórdias sobre a natureza de Cristo levaram a uma rutura, depois do Concílio de Calcedónia em 451.

A Bula da Excomunhão não foi tanto a causa, mas sim a consequência das dificuldades que surgiram, gradualmente, ao longo do tempo.

Hierarquia

As duas Igrejas organizaram a sua hierarquia em três categorias principais: os diáconos, seguidos pelos padres e depois os bispos, no topo da pirâmide.

A grande diferença entre as duas igrejas é o estatuto do Papa Católico Romano. O bispo de Roma teve, desde sempre, uma posição de honra, com base no significado e na história da cidade. Os ortodoxos reconhecem o Papa, mas rejeitam a sua supremacia perante a Igreja.

Durante o segundo milénio, a Igreja Católica Romana desenvolveu um conceito de autoridade espiritual, mas a Igreja Ortodoxa sempre tolerou uma maior independência. É constituída por várias igrejas. O Patriarca de Constantinopla, por exemplo, não tem jurisdição direta sobre outros Patriarcas.

Crenças

As crenças da Igreja Católica Romana estão contidas num documento conhecido como: Catecismo. O mesmo não acontece com a igreja ortodoxa.

No entanto, ambas aderem às decisões tomadas pelos primeiros sete Concílios Ecuménicos que uniram os líderes da Igreja, entre 325 e 787, para acordar princípios chave:

  • As três formas de Deus: “O Pai”, no céu; “O Filho”, Jesus Cristo, na terra e “O Espírito Santo” – que é a presença de Deus em toda parte.
  • A capacidade de Jesus Cristo ser divino e humano ao mesmo tempo
  • O estatuto especial de Maria como mãe de Deus
  • A utilização de ícones na adoração.

No entanto, católicos romanos e ortodoxos discordam sobre a natureza da relação do Espírito Santo com o Pai e com o Filho.

Também encaram a Páscoa, que assinala a morte e ressurreição de Jesus Cristo, de forma diferente. Para os católicos romanos, Jesus salvou o homem e permitiu que ele alcançasse o céu pagando pelos pecados da humanidade ao ser crucificado.

Para os ortodoxos, a salvação é alcançada pelo triunfo de Cristo sobre a morte – já que ressucitou. Desta forma, a arte grega, ao contrário da arte ocidental, não se fixa na figura de Cristo crucificado.

Costumes

A riqueza das práticas espirituais das duas Igrejas é bastante acentuada. Enquanto os católicos romanos tendem a usar estátuas para representar os santos, a Igreja Ortodoxa tem uma rica tradição iconográfica ou pictórica.

Os católicos romanos tendem a ajoelhar-se em oração, enquanto os ortodoxos, normalmente, ficam de pé.

A igreja ortodoxa permite sacerdotes casados, mas os padres católicos ocidentais são obrigados a permanecer solteiros e no celibato.

Calendário

Até 1923, todas as igrejas orientais utilizaram o calendário “antigo”, introduzido por Júlio César em 45 aC, que está 13 dias atrasado em relação ao “novo” calendário católico romano – que foi introduzido pelo Papa Gregório XIII, em 1582.

Isto significava que as datas religiosas como o Natal eram realizadas em datas diferentes. Várias igrejas ortodoxas adotaram o novo calendário e as festividades agora coincidem, exceto a Páscoa que ainda é celebrada de acordo com o calendário antigo.

Espiritualmente e teologicamente, é muito mais aquilo que une as duas igrejas do que aquilo que as separa. Foram feitas várias tentativas para as unir ao longo dos séculos.