Última hora

Em leitura:

Haiti: Candidato do partido no poder venceu as presidenciais


Haiti

Haiti: Candidato do partido no poder venceu as presidenciais

O empresário Juvenal Moise ganhou as presidenciais de 20 de novembro, anunciou a comissão eleitoral na segunda-feira à noite.

Candidato apoiado pelo ex-presidente Michel Martelly para representar o Partido haitiano Tèt Kale (PHTK), Moise conseguiu 55,67% dos votos, o suficiente para evitar uma segunda volta.

O candidato da oposição, Jude Celestin, da Liga Alternativa pelo Progresso e Emancipação Haitiana, ficou em segundo lugar, com 19,52% dos votos, enquanto Moise Jean Charles conseguiu 11,04% e Maryse Narcisse, 8,99%.

No discurso que fez após a confirmação dos resultados preliminares, Juvenal Moise apelou à unidade dos haitianos e em particular dos seus adversários eleitorais: “Esta noite, pensei muito especialmente a cada um dos meus concorrentes, cada cidadão e cidadã que foi candidato porque tinham um projeto para o Haiti. Juntos, vamos mudar o Haiti, se trabalharmos juntos, seremos capazes de fazer com que todos os haitianos tenham uma vida melhor.”

O Haiti está sem presidente desde fevereiro. A eleição de domingo deveria ter sido realizada em 25 de outubro de 2015, mas alegações de fraudes eleitorais provocaram uma nova crise constitucional, adiando o escrutínio. Marcado para 9 de outubro deste ano, foi cancelado novamente por causa da passagem do furacão Matthew, que devastou o sul do país e matou mais de 500 pessoas.

O partido de Moise proclamou a sua vitória logo a seguir às eleições, provocando reações violentas dos apoiantes da candidata Maryse Narcisse, próxima do ex-presidente Jean Bernard Aristide.

Os resultados definitivos da primeira volta serão publicados no dia 29 de dezembro.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Coreia do Sul

Presidente da Coreia do Sul "pronta a abandonar o cargo"