This content is not available in your region

Itália: Oposição contesta reforma constitucional e apela a votar "Não" no referendo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Itália: Oposição contesta reforma constitucional e apela a votar "Não" no referendo

<p>Os italianos pronunciam-se em referendo, este domingo, sobre uma série de reformas constitucionais propostas pelo primeiro-ministro, Matteo Renzi. </p> <p>Apresentadas com as reformas mais importantes desde a segunda guerra mundial, elas visam pôr fim à instabilidade política em Itália, um país que teve já 63 governos em 70 anos de democracia.</p> <p>No sistema atual, as leis devem ser aprovadas pelas duas câmaras do parlamento, o que torna o processo legislativo muito moroso. O que está em causa nesta mudança é o senado, que irá perder peso político face à câmara dos deputados.</p> <p>Dos 315 senadores eleitos atualmente, apenas vão ficar 100, dos quais 74 escolhidos pelos conselhos regionais, 21 pelos presidentes de câmara e 5 nomeados pelo presidente da república.</p> <p>Desta forma, os governos das 20 regiões italianas devem conceder poderes ao Estado, o que não agrada a muitos, sobretudo a Lega do Nord, o poderoso partido regionalista que fez campanha pelo “Não”. <br /> “É uma reforma que retira poderes, liberdade e fundos às regiões, mesmo às mais bem administradas”, afirma o líder da Lega, Matteo Salvini.</p> <p>Também o partido Forza Itália, assim como o seu fundador, Silvio Berlusconi, qualificam as reformas de perigosas:<br /> “Uma iminente jurista alemã diz que isto é um golpe de Estado tranquilo. Renzi tem que ter muita atenção a esta reforma que pensa que lhe é favorável. Toda a gente vai poder ganhar, mesmo Grillo”.</p> <p>“Com a cláusula da supremacia, o governo vai poder decidir construir um oleoduto, uma mina de carvão ou mesmo uma central nuclear. Vão fazê-lo!”, alerta Beppe Grillo, o líder do Movimento Cinco Estrelas, num ataque contra a reforma que considera anti-democrática porque diminui os direitos do povo.</p> <p>Após ter ligado o seu mandato ao resultado do referendo, Matteo Renzi tenta agora distanciar-se:<br /> “Agora o debate é: Quer mudar a constituição? Sim ou Não? E se o povo disser que quer manter este sistema bicamaral perfeito, o Conselho Nacional para a Economia e para o Trabalho e o maior e mais caro parlamento do mundo, nós respeitamos o povo com tranquilidade. Mas isto não é um referendo sobre mim.”</p>