Última hora

Em leitura:

Theresa May perde voto pelo "Brexit" na Câmara dos Comuns


Reino Unido

Theresa May perde voto pelo "Brexit" na Câmara dos Comuns

O Partido Conservador britânico, da primeira-ministra Theresa May, sofreu um revés esta quinta-feira, ao perder mais um voto pelo “Brexit” na Câmara dos Comuns do Parlamento do Reino Unido.

Numa eleição intercalar do círculo eleitoral de Richmond Park, no sudoeste de Londres, a vitória sorriu a Sarah Olney, a candidata liberal-democrata e confessa defensora da permanência do Reino Unido na União Europeia (UE).

A nova deputada sublinhou essa mesma vitória dos apoiantes da permanência ao lado dos outro “27” Estados-membros da UE no discurso de vitória. “O povo de Richmond Park e Kingston Norte enviou uma onda de choque contra este governo conservador do ‘Brexit’. A nossa mensagem é clara: Não queremos um ‘Brexit’ difícil, não queremos sair do mercado comum nem nos vamos deixar derrotar pela intolerância, o divisionismo e o medo”, avisou Sarah Olney.

A liberal-democrata, de 39 anos, conquistou o lugar a Zac Goldsmith, superando o rival em apenas 1872 votos. O conservador foi o responsável pelo precipitar desta eleições em Richmond Park ao cumprir a promessa de se demitir após perder a argumentação com a atual primeira-ministra sobre a anunciada expansão do aeroporto de Heathrow.

Pró-Brexit, Goldsmith recandidatou-se ao lugar como independente, mas perdeu, tentando ainda assim garantir que “esta eleição intercalar não foi um cálculo político” mas apenas “uma promessa”: “Que fiz e cumpri.”

“Foi um enorme privilégio ter servido e ter representado esta comunidade nos últimos seis anos. Vou sentir falta de o continuar a fazer”, afirmou Zac Goldsmith, após a segunda derrota eleitoral consecutiva depois de já ter perdido para o trabalhista Sadiq Khan as eleições para a câmara de Londres.

A troca de Zac Goldsmith por Sarah Olney implica para a chefe de Governo, Theresa May, a perda na Câmara dos Comuns de mais um deputado a favor do “Brexit” e a entrada de outro que é assumidamente contra. E isto perante a possibilidade cada vez mais real de que a ativação do artigo 50 do Tratado de Lisboa, a regra europeia nunca utilizada que permite a um Estado-membro deixar a União Europeia, tenha de ser decidia por votação parlamentar.

Alunos do secundário recriam por dois euros medicamento que custa 700 euros

mundo

Alunos do secundário recriam por dois euros medicamento que custa 700 euros