Última hora

Em leitura:

Unicef pede apoio para 75 milhões de crianças irem à escola


A redação de Bruxelas

Unicef pede apoio para 75 milhões de crianças irem à escola

Ali e Gaeth estão entre os 75 milhões de crianças em todo o mundo que necessitam de apoio urgente para poderem frequentar a escola.

Estes dois meninos iraquianos fizeram parte da campanha de sensibilização “Lições de emergência”, da Unicef e do Departamento de Ajuda Humanitária da União Europeia, debatida numa sessão especial, esta terça-feira, no Parlamento Europeu.

“Educação não é apenas aprender Matemática, Ciências e História. É aprender a ser uma boa pessoa. Se não houver educação e alguém que ensine valores morais e como se deve tratar as pessoas, então haverá muito mais conflitos. Porque as pessoas não sabem como comunicar”, disse Minahil Sarfraz, embaixadora para a Juventude da Unicef, que teve de deixar o Paquistão para viver e estudar na Irlanda.

A parceria da Unicef/União Europeia apoiou dois milhões de crianças, em quatro anos. Mas apenas 2% da ajuda humanitária mundial é investida nesta forma de proteção para as crianças.

O vice-diretor executivo da Unicef, Justin Forsyth, realça que “muitas crianças foram recrutadas à força por grupos armados e tiveram de participar em atrocidades terríveis. Muitas acabam forçadas a casarem-se cedo, às vezes com apenas 13 ou 14 anos, e outras são recrutadas para trabalharem em fábricas e nas ruas, não recebendo educação”.

A campanha atingiu, em sete meses, 70 milhões de pessoas, sobretudo menores de 25 anos, que partilharam vídeos e fotos no Twitter.

Os países visados foram Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Eslovénia, Eslováquia e Reino Unido, onde os organizadores esperam que seja feita mais pressão junto de governos e doadores para investirem nesta área.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

A redação de Bruxelas

Comissão Europeia quer negociar o Brexit em 18 meses