Última hora

Em leitura:

Alepo: Exército sírio prestes a controlar a cidade


Síria

Alepo: Exército sírio prestes a controlar a cidade

As forças leais ao presidente Bashar al-Assad afirmam controlar praticamente a totalidade da cidade de Alepo, informação confirmada pela ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Segundo o general Zaid al-Saleh, comandante do chamado “comité de segurança de Alepo”, a cidade está prestes a cair nas mãos do regime e os rebeldes têm a escolher entre a rendição e a morte.

Depois de meses de bombardeamentos intensos pelas aviações síria e russa, prosseguindo uma ofensiva brutal que conta com o apoio do Hezbollah e das milícias treinadas pelo Irão, o exército sírio assumiu esta segunda-feira o controlo dos bairros de Sheik Saed e Saliheen, limitando o território ocupado pelas forças anti-regime na cidade a um pequeno enclave.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, mais de 10 mil civis abandonaram os bairros rebeldes de Alepo, nas últimas 24 horas.

Pelo menos 413 civis foram mortos na zona oriental de Alepo desde o início da ofensiva em 15 de novembro, enquanto pelo menos 139 outros foram mortos por tiros de morteiros rebeldes nos bairros ocidentais da cidade.

Entretanto, em Aquirabat, na província de Hama, no centro do país, gases tóxicos, lançados por aviões de origem desconhecida mataram pelo menos 34 civis, entre os quais pelo menos 11 crianças e oito mulheres, e feriram dezenas de outros, disse à agência espanhola Efe o diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos, Rami Abderrahman. Aquirabat está sob controlo dos extremistas sunitas do Daesh.

O conflito sírio já provocou mais de 300 mil mortos desde março de 2011, tendo obrigado mais de metade da população a abandonar as suas habitações.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

mundo

China avisa Trump: A posição sobre Taiwan não é negociável