This content is not available in your region

EUA: Wisconsin confirma vitória de Trump sem afastar dúvidas sobre Rússia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
EUA: Wisconsin confirma vitória de Trump sem afastar dúvidas sobre Rússia

<p>A recontagem dos votos no estado norte-americano do Wisconsin põe fim às dúvidas sobre a vitória de Donald Trump no sufrágio presidencial de há doze dias. </p> <p>O novo resultado, apurado após a nova contagem, aumentou mesmo a vantagem do republicano, que soma mais 131 votos no escrutínio. </p> <p>Um número celebrado por Donald Trump nas redes sociais, como uma forma de silenciar as dúvidas levantadas pela candidata ecologista Jill Stein, promotora da recontagem.</p> <p>Para Mark Thomsen, responsável da Comissão Eleitoral do Wisconsin:</p> <p>“Descobrimos que os votos em Jill Stein, não foram contados devido a um erro e a recontagem permitiu-nos fazer uma avaliação das fraquezas do nosso sistema eleitoral” .</p> <p>Donald Trump deverá completar a formação do seu futuro executivo, com a nomeação do novo Secretário de Estado, esta terça-feira.</p> <p>Segundo a imprensa norte-americana, o atual presidente da petrolífera Exxon Mobil deverá ser a escolha de Trump para liderar a diplomacia do país.</p> <p>Rex Tillerson de 64 anos é apontado como uma figura próxima do presidente russo Vladimir Putin, que o condecorou com a ordem russa da amizade em 2013.</p> <p>Uma escolha que coincide com a promessa de Trump de reconciliar Washington e Moscovo em temas como a guerra na Síria, ou o levantamento das sanções ocidentais à Rússia.</p> <p>Num relatório secreto, revelado na sexta-feira na imprensa norte-americana, a <span class="caps">CIA</span> reconhecia que a interferência russa durante a campanha das presidenciais teria como objetivo ajudar Trump a vencer o sufrágio.</p> <p>Um grupo de dez membros do colégio eleitoral que deverá eleger Trump no dia 19, escreveu uma carta ao responsável dos serviços secretos norte-americanos a pedir mais informações sobre as ligações entre Trump e a Rússia.</p>