Última hora

Em leitura:

EUA: Obama acusa a Rússia de ciber ataques


EUA

EUA: Obama acusa a Rússia de ciber ataques

As declarações da Casa Branca que acusam a Rússia de ter perturbado a eleição presidencial norte-americana com a ajuda de piratas informáticos dominaram a conferencia de imprensa de Brack Obama, a menos de um mês da passagem do poder.

O ainda presidente dos Estados Unidos fez um balanço do seu mandato e lançou críticas aos aliados do regime sírio que acusou de graves atrocidades e de violação do direito internacional.

“Vimos a estratégia deliberada de cercar, cercar e matar de fome pessoas civis inocentes. Vimos uma perseguição implacável de trabalhadores humanitários e pessoal médico, bairros inteiros reduzidos a escombros e poeiras, e há relatos contínuos de civis sendo executados. Violações do direito internacional … A responsabilidade por essa brutalidade está em um só lugar: com o regime de Assad e seus aliados, Rússia e Irã, e essas atrocidades estão em suas mãos “

Barack Obama disse também que o seu governo “vai tomar medidas” contra a Rússia pelos ataques informáticos ocorridos durante as eleições para a Casa Branca com o objetivo de interferir nos resultados.

“Não há muita coisa a acontecer na Rússia sem Vladimir Putin, é uma operação bastante hierárquica … Por fim, verifiquei que não há muito debate e a deliberação democrática, especialmente quando se trata de políticas dirigidas aos EUA

A Rússia já rejeitou por diversas vezes as suspeitas norte-americanas, classificando-as de “gratuitas”, “não profissionais” e de “não estarem apoiadas em qualquer informação ou prova”.

Trump, por seu turno, voltou a sugerir que a Casa Branca tem intenções partidárias ao acusar a Rússia de estar por trás da ação dos piratas informáticos contra a sua rival democrata.

Responsáveis dos serviços de informação dos Estados Unidos acreditam que Putin está pessoalmente envolvido no caso da pirataria informática que marcou as presidenciais de 08 de novembro.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

EUA

"Alepo é agora um sinónimo de inferno", afirma Ban Ki-moon