Última hora

Em leitura:

Presumível autor de atentado em Berlim passou por Lyon depois do ataque


Alemanha

Presumível autor de atentado em Berlim passou por Lyon depois do ataque

A cidade francesa de Lyon, sede da Interpol, foi um dos pontos de passagem do tunisino Anis Amri, três dias depois do atentado num mercado de Natal em Berlim.

O autor suspeito do ataque aparece nas imagens captadas pelas câmaras de segurança da estação de caminhos de ferro Lyon-Part-Dieu.

Amri foi morto pela polícia italiana, em Milão, na passada sexta-feira, mas de acordo com fontes da investigação terá comprado, a dinheiro, na referida estação, um bilhete de comboio rumo à cidade italiana, com ligação na cidade francesa de Chambéry.

O atentado custou a vida a 12 pessoas. Entre as vítimas mortais está Fabrizia di Lorenzo, que trabalhava em Berlim e se deslocou ao mercado para comprar presentes para a família. O funeral da italiana de 31 anos realizou-se esta segunda-feira na cidade de Sulmona e contou com a presença do presidente Sergio Mattarella.

“Foi comovente mas ao mesmo tempo com muita dignidade, dos familiares, dos pais, da avó. Foi um momento de dor para todos”, disse Camilla D’Eramo, uma residente de Sulmona que acompanhou as cerimónias fúnebres.

O também residente Carlo Iannamorelli acrescentou: “A cidade inteira está com esta família e com todas as vítimas.”

O motorista polaco Lukasz Robert, que conduzia o camião usado no ataque foi outra das vítimas mortais. Apresentava sinais físicos de se ter envolvido numa luta e ferimentos causados por uma arma branca e de fogo. Ao que tudo indica terá evitado uma tragédia de proporções maiores.

Uma petição na Internet, já subscrita por 18 mil pessoas, pede, por isso, que Lukasz seja condecorado, pela bravura, na Alemanha.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Reino Unido

Mundo chora a morte de George Michael