Última hora

Há cerca de dois milhões de pessoas deslocadas na República Democrática do Congo (RDC), um país devastado por 20 anos de guerra. O conflito armado e a insegurança geral criaram uma das mais complexas e duradouras crise humanitárias do mundo.

Cerca de 20 mil refugiados vieram para a aldeia de Luizi, na província de Tanganyika, nos últimos meses. Fugiram à violência entre as tribos Pygmy e Bantu. A ONG francesa, Première Urgence Internationale, tem aqui uma clínica itinerante. Uma clínica que trata as crianças subnutridas e administra cuidados básicos de saúde.

O acesso continua a ser um dos principais obstáculos. Muitas das estradas estão nas mãos dos grupos armados e outras simplesmente nem existem. Em muitas regiões a maneira mais segura para prestar assistência é por via aérea. Nos últimos 20 anos o Echo Flight, o serviço aéreo de ajuda humanitária da União Europeia, tem operado em inúmeras situações para socorrer as pessoas que necessitam.

O Echo Flight trouxe-nos a Kivu Sul e aterrámos numa pista delicada para os pilotos deste serviço, próxima da aldeia de Kolula. Viémos visitar uma feira de alimentos organizada pela ONG Acted.

Nas proximidades de Kolula, o conflito armado entre o exército nacional e os grupos de auto-defesa obrigam pessoas a fugirem todos os dias. Esta distribuição de comida permite alimentar cerca de 15 mil pessoas refugiadas nas 15 aldeias aqui à volta.