Última hora

Última hora

Os Doors em Los Angeles: "se Jim Morrison estivesse vivo, teria subido ao palco com orgulho"

Em leitura:

Os Doors em Los Angeles: "se Jim Morrison estivesse vivo, teria subido ao palco com orgulho"

Tamanho do texto Aa Aa

Cinquenta anos após o álbum de estreia, os Doors juntaram-se para tocar um concerto especial, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Cinquenta anos após o álbum de estreia, os Doors juntaram-se para tocar um concerto especial, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Point of view

Não é possível adivinhar o que o Jim Morrison diria se estivesse vivo porque ele sempre fazia algo diferente do esperado. Mas tenho a certeza de que ele teria subido ao palco com orgulho.

Dos quatro elementos da banda, continuam vivos o baterista John Densmore e o guitarrista Robby Krieger.

Os fãs da banda reuniram-se no dia 4 de janeiro, data de lançamento do primeiro disco do grupo em 1967, há precisamente meio século. A data passa a ser “O dia dos Doors” em Los Angeles.

“São os cinquenta anos dos Doors. Nós começámos aqui em Venice e estamos aqui de novo, é um ciclo”, afirmou Robby Krieger.

O teclista Ray Manzarek faleceu em 2013 aos 74 anos. O vocalista e poeta Jim Morrison teve uma vida mais curta, morreu aos 27 anos em 1971, dando origem a um fenómeno de culto, multidões continuam a visitar a sua sepultura em Paris.

“Não é possível adivinhar o que o Jim diria se estivesse vivo porque ele sempre fazia algo diferente do esperado. Mas tenho a certeza de que ele teria subido ao palco com orgulho”, disse Krieger.

Durante o concerto, John Densmore e Robby Krieger tocaram os vários sucessos dos Doors, como ‘Light My Fire’ e ‘L.A. Woman”.

“Não toco música regularmente. Leio muito. O que mais me inspira são os meus netos”, afirmou o baterista John Densmore.

Após a morte de Jim Morrison em 1971, os Doors continuaram a tocar durante dois anos tendo acabado em 1973.