Última hora

Última hora

Ator nascido na Guiné-Bissau protagoniza filme húngaro "O cidadão"

Em leitura:

Ator nascido na Guiné-Bissau protagoniza filme húngaro "O cidadão"

Tamanho do texto Aa Aa

“A longa-metragem “O cidadão” conta as dificuldades de um homem africano para se integrar na sociedade húngara.

“A longa-metragem “O cidadão” conta as dificuldades de um homem africano para se integrar na sociedade húngara.

Point of view

Sinto-me húngaro, mas, quando ando na rua pareço africano. As pessoas não sabem há quanto tempo vivo na Hungria, não sabem que tenho uma família, trabalho aqui e pago impostos. As pessoas na rua vêm-me como um imigrante.

Marcelo Cake-Baly, antigo imigrante oriundo da Guiné-Bissau, desempenha o papel principal. Apesar de ter a nacionalidade húngara há mais de vinte anos, o ator continua a sentir-se rejeitado pela sociedade húngara.

“Sinto-me húngaro mas quando ando na rua pareço africano. As pessoas não sabem há quanto tempo vivo na Hungria, não sabem que tenho uma família, trabalho aqui e pago impostos. Isso não está escrito na minha testa. As pessoas na rua vêm-me como um imigrante”, afirmou Marcelo Cake-Baly.

Em 2016, a Hungria aprovou uma nova lei para deter e expulsar refugiados. Todos os migrantes que sejam encontrados num raio de oito quilómetros da fronteira com a Sérvia são escoltados para o lado de lá do muro.

“Vivemos atualmente uma psicose coletiva que tem a ver com o medo. O medo faz parte da natureza. As pessoas têm medo da multidão sem rosto a que chamamos imigrantes. Penso que é preciso respeitar esse medo. Não devemos ter uma atitude cínica em relação a esse medo. Apesar de tudo,acredito que os cidadãos europeus são seres humanos e percebem que essas pessoas precisam de ajuda”, frisou o realizador húngaro Roland Vranik.

A longa-metragem “O cidadão” chega esta semana às salas de cinema húngaras.