Última hora

Em leitura:

Tratado Transpacífico: Austrália quer China no lugar vago dos EUA


economia

Tratado Transpacífico: Austrália quer China no lugar vago dos EUA

Austrália e Japão acreditam que ainda é possível salvar o Tratado Transpacífico (TPP) após a decisão de Donald Trump de retirar-se do acordo comercial multilateral assinado pelos Estados Unidos.

No Japão, o único dos 12 signatários a ratificar o entendimento, o primeiro-ministro Shinzo Abe admite ainda a possibilidade de uma renegociação com Washington.

“Espero ainda que o presidente Donald Trump reconheça a importância de um comércio livre e justo. Vou apelar de forma insistente para que compreenda a importância estratégica e económica deste acordo”, afirmou Abe frente ao parlamento.

Para Tóquio, assim como para outros países do sudeste asiático, o Tratado representava a possibilidade de um contrapeso face à influência crescente da China na região.

A Nova Zelândia sugeriu a possibilidade de um “plano B” que, para a Austrália, poderia passar pela adesão de novos países, como a China ou a Indonésia.

Para o primeiro-ministro australiano, Malcom Turnbull:

“Queremos ter mais oportunidades com mais mercados. Já temos um acordo de comércio livre entre a Austrália e a China e penso que há uma possibilidade de que a China possa juntar-se ao TPP”.

Aprovado no ano passado, após cinco anos de negociações, o Tratado precisa ainda de ser ratificado por pelo menos seis países que representem 85% do PIB dos 12 estados aderentes.

Os Estados Unidos, por si só, representam 60% do PIB do bloco comercial Àsia-Pacífico.

Países aderentes como o Chile, anunciam por seu lado que vão retirar-se do acordo. Para Heraldo Muñoz, ministro dos Negócios Estrangeiros do Chile, a retirada de Trump significa o fim do TPP, “uma vez que a presença dos EUA representava um pilar fundamental do entendimento”.

O acordo Transpacífico de comércio livre reunia 12 estados que representam 40% da economia mundial: EUA, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Singapura, Vietname, Malasia, Japão, México, Peru, Brunei e Chile.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

economia

Reino Unido prepara economia para o "Brexit"