Última hora

Em leitura:

Jovens investigadores "acorrentados" por Donald Trump


EUA

Jovens investigadores "acorrentados" por Donald Trump

Lágrimas no terminal das chegadas do aeroporto internacional de Los Angeles, no sábado, quando as famílias iranianas ficaram a saber que tinha sido recusada a entrada nos Estados Unidos aos seus familiares. O irano-americaino, Hossein Khoshbakhty, estava à espera do irmão, detentor de um visto de trabalho – green card -, quando recebeu um telefonema a informá-lo que o irmão seria deportado.

“Não sei o que fazer. Nós fugimos do Irão para este país porque lá faziam-nos estas coisas, e agora temos a mesma situação aqui. Eu sou cidadão americano há 15 ou 20 anos e o meu irmão não fez nada de mal em nenhum sítio do mundo e eu também não fiz nada de mal”, afirma em lágrimas.

Nima Enayati, engenheiro bio-médico, iraniano, estudante na Universidade Politécnica de Milão também não fez nada de mal, mas viu-se impedido de viajar para os Estados Unidos no aeroporto de Malpensa por causa da sua nacionalidade. Devia passar os próximos seis meses na Universidade de Stanford: “Estou preocupado também com outra viagem, porque recebemos fundos de uma grande empresa de robótica cirurgica da Califórnia. No entanto, se a situação não mudar, eu não poderei pedir o meu visto para ir apresentar o meu projeto – isso terá – para mim pessoalmente – um grande impacto emocional, pelo menos”.

A comunidade cientifica e académcia vai ser bastante penalizada por esta interdição de viagens. Estudante de um douturamento no instituto Hasso Plattner, Mana, que é iraniana, já tinha visto para viajar para a Califórnia: “Tinha planos para ficar um mês em Palo Alto (…)Por isso, claro que fiquei muito triste por não poder viajar com os meus colegas e amigos do HPI. Não pude acompanhar a minha equipa e já não posso continuar os meus estudos em Stanford .”

Soosan Lolavar é britânico-iraniana e obteve uma bolsa para a Universidade Carnegie Mellon no ano passado. Enquanto artista, poderia beneficiar de uma dispensa da Universidade para ir a Pittsburg à estreia da sua ópera “ID Please” em abril, mas dúvida que vá: “Por um lado, seria muito bom ir assistir à estreia da minha ópera. Muita gente dispendeu um grande esforço para este projeto. Queria apoiá-los, mas por outro lado, não queria ser tratada como um caso especial. Em questões como estas, a solidariedade é muito importante”, declara.