Última hora

Última hora

União Europeia "cria muros políticos" para lidar com asilo

O enviado especial da euronews a Malta, James Franey, falou com agentes da sociedade civil e refugiados sobre como vêem as propostas da União Europeia para regular os fluxos migratórios.

Em leitura:

União Europeia "cria muros políticos" para lidar com asilo

Tamanho do texto Aa Aa

“Raramente os líderes da UE se reúnem longe da tristonha Bruxelas. Mesmo na pitoresca ilha de Malta, terão pouco com que se animar. Os anfitriões estão preocupados com a chegada de mais refugiados e migrantes na primavera. O Reino Unido encaminha-se para a saída da União Europeia e o comportamento do presidente norte-americano, Donald Trump, ensombra os espíritos”, explica o enviado especial da euronews a Malta, James Franey.

A política migratória de Trump foi recebida com indignação nas capitais europeias, mas a União Europeia também planeia políticas mais duras nessa área.

O governo de Malta quer travar a chegada de mais pessoas via Líbia. No projeto de declaração final da cimeira, os líderes europeus admitem a deportação de pessoas para esse país.

As propostas do Serviço Europeu para a Ação Externa pretendem evitar que mais pessoas cheguem a território europeu com recurso as redes de contrabandistas.

Co-fundadora de uma organização não-governamental de apoio ao salvamento marítimo, Regina Catrambone defende a criação de rotas seguras e legais para as pessoas que querem mudar-se para a Europa.

A voluntária diz que “o mar Mediterrâneo estava associado a férias e relaxamento, mas está a tornar-se num cemitério, porque muitas pessoas estão a fugir da guerra e da perseguição, em busca de uma vida melhor. Não se trata só de cada indivíduo que se afoga no mar. Ao permitirmos estas mortes, também morre com elas o nosso sentido de Humanidade”.

Dados da ONU revelam que mais de 1700 pessoas pediram asilo em Malta, em 2016. A maioria delas são cidadãos da Líbia, Síria, Eritreia e Somália.

Quem trabalha diretamente com refugiados na ilha não acredita no sucesso das medidas que estão a ser estudadas pela União Europeia.

Ahmed Bugri, diretor da Fundação para o Abrigo e Apoio aos Migrantes, refere que “a hipótese de reenviar as pessoas para a Líbia é hipócrita”.

“A União Europeia não pode, por um lado, culpar Donald Trump por querer construir um muro real entre os EUA e o México e, por outro lado, estar a criar muros políticos para impedir os jovens de África de procurarem asilo na Europa. Acho isso muito hipócrita e sem sentido”, explicou.

Malta é o único Estado-Membro com um programa de reinstalação de refugiados nos EUA, que agora foi posto em causa com a nova ordem executiva do Presidente norte-americano.

De acordo com as Nações Unidas, 455 migrantes deixaram Malta, no ano passado, para começarem uma nova vida do outro lado do Atlântico.

Hosam era carpinteiro na capital da Síria e sonha em regressar a casa, mas considera que a decisão de Trump sobre os refugiados vai contra os valores norte-americanos.

“A América é um país de liberdade. Trump, com este passo, estragou tudo. Há cristãos no nosso país. Há muçulmanos no país de Trump. Então o que temos de fazer agora é também expulsar os norte-americanos? Isso não é liberdade. É contra os princípios da liberdade”, refere o refugiado.

Sem uma solução política que ponha fim à guerra na Síria e a outros conflitos nos territórios a sul da Europa, será necessário mais do que mais uma cimeira de líderes sobre o tema para regular os fluxos migratórios para a Europa sem mais perda de vidas.