Última hora

Em leitura:

Corrupção: O 'cancro' na política francesa a que poucos escapam


França

Corrupção: O 'cancro' na política francesa a que poucos escapam

François Fillon pediu desculpa aos franceses por ter dado emprego à mulher e aos filhos, mas não se retira da corrida presidencial. A justiça continua a investigar o caso que envolve o candidato da direita conservadora ao Eliseu.

O que pensam os eleitores?

“Julgo que as pessoas ficaram desapontadas. Ele (Fillon) apostava tudo na questão da integridade e da moralidade. Agora, acho que é tarde demais”.

“É preciso que as coisas mudem. Todos trabalhamos, todos temos famílias para sustentar. As nossas mulheres também trabalham mas não à custa de dinheiros públicos”.

“Todos estes casos engendrados por Nicolas Sarkozy e pela sua equipa e agora François Fillon são preocupantes”.

“Não estou contra ele. Porquê? Não terão os políticos que estão hoje no poder feito o mesmo ou pior?”

Esta última opinião é sintomática de um sentimento que lavra entre os franceses. Segundo uma sondagem, 54% da população considera que os responsáveis políticos são corruptos, principalmente os membros do governo e os deputados. Mais de 80% deseja uma renovação da classe política e motivos não faltam:

O ex-presidente Nicolas Sarkozy está para responder perante a justiça por alegado financiamento ilegal da sua campanha eleitoral de 2012, em que perdeu para François Hollande.

Outro ex-presidente, Jacques Chirac foi condenado a dois anos de prisão com pena suspensa por desvio de fundos públicos. Um crime semelhante valeu também uma pena suspensa ao ex-primeiro-ministro Alain Juppé.

A França tem um longo historial de escândalos financeiros envolvendo políticos e há razões para preocupação.

No índice de perceção da corrupção da Transparency International, a França é um dos maus alunos da Europa. Ocupa a 23.ª posição num ranking com 176 países. Está melhor classificada do que Itália, Espanha, Roménia ou Portugal, mas bem longe da Alemanha, Reino Unido ou da Dinamarca, que lidera a tabela.

Para tentar mitigar o problema, em 2013, França adotou uma lei sobre a transparência dos titulares de cargos públicos e de luta contra os crimes financeiros.

Na legislação lê-se que “os membros do governo, os titulares de um mandato local e as pessoas encarregues de uma missão de serviço público devem (…) prevenir ou acabar imediatamente com qualquer conflito de interesses”.

A lei foi redigida na sequência do caso de Jerôme Cahuzac, o antigo ministro de François Hollande, responsável pelo Orçamento de Estado, que foi condenado a três anos de prisão por ter contas na Suíça e em Singapura que não declarou ao Fisco. Prisão também para o antigo ministro da Administração Interna de Nicolas Sarkozy, Claude Guéant, por desvio de fundos públicos num dos muitos escândalos em que está implicado.

Cada novo caso dá força aos argumentos da “Frente Nacional, que há muito tempo fala da corrupção dos políticos”, explica o analista Renaud Payre.

No entanto, o partido populista de extrema-direita também não escapa às suspeitas. O Parlamento Europeu exige que Marine Le Pen devolva 300 mil euros pagos a uma secretária que estaria na verdade a trabalhar para a Frente Nacional. As declarações de património e o financiamento das campanhas dos Le Pen também estão a ser investigados pela justiça.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Israel

Abbas condena lei que legaliza expropriação de terras palestinianas