Última hora

Última hora

Síria: O quotidiano numa Alepo em ruínas

Um mês e meio após a queda dos bairros rebeldes da cidade de Alepo, na Síria, os que ficaram ou que regressaram vivem no meio dos escombros, com temperaturas invernais, sem água canalizada, sem eletri

Em leitura:

Síria: O quotidiano numa Alepo em ruínas

Tamanho do texto Aa Aa

Um mês e meio após a queda dos bairros rebeldes da cidade de Alepo, na Síria, os que ficaram ou que regressaram vivem no meio dos escombros, com temperaturas invernais, sem água canalizada, sem eletricidade e quase sem alimentos. O bairro de Kalasa, na zona oriental da cidade é uma paisagem desoladora.

Antes da guerra cívil, Alepo era a cidade mais densamente povoada da Síria. Caída na posse dos rebeldes, a cidade e particularmente o bairro de Kalasa, foi bombardeado até ao controlo final pelo exército.

Al Mouassassi é uma rua estreita com apenas 100 metros de comprimento. Antes tinha comércios e casas revestidas a pedra, onde viviam sírios da classe média e média baixa. Eymad Batash é um dos residentes. Ele e a família estão entre os que voltaram em vez de partirem como refugiados. O pai, um militar na reforma, tinha construído a casa para os filhos nos anos 1980.

“O primeiro morteiro caiu no cemitério no início da guerra.As pessoas ficaram muito assustadas porque era a primeira vez que ouviam um morteiro. Muita gente partiu e nós seguimos uns dias depois. Partimos durante dois meses e depois regressámos e ficámos aqui até agora. Habituámo-nos a isto”, conta.

A irmã de Eymad, Heyam, fugiu das bombas do exército e do assédio dos rebeldes e refugiou-se com os filhos em Hamdaniyeh, um dos bairros ocidentais de Alepo, nas mãos do governo. Agora regressou e partilha duas divisões no rés-do-chão da casa com a filha e as netas:
“Usamos lenha para nos aquecermos e recebemos alguma ajuda. Recebemos pão todos os dias e vivemos assim. Espero que as nossas condições melhorem e que com a vontade de Deus ganhemos a guerra contra estes terroristas e o país volte a ser o que era antes”, afirma.

A família Batash diz que não tem posição política, mas defende o regime porque vários dos seus membros pertenceram ao exército. A adesão de um dos primos à causa rebelde criou tensões na família. Uma história comum a muitas famílias sírias separadas pela defesa dos dois lados desta guerra cívil que tem destruído o país.