Última hora

Em leitura:

Londres: Tecnologia para monitorizar a poluição atmosférica


Sci-tech

Londres: Tecnologia para monitorizar a poluição atmosférica

Em parceria com

Em Londres, uma série de startups tecnológicas estão a desenvolver uma tecnologia para manter os moradores informados e nalguns casos protegidos da poluição atmosférica. A startup Airlabs apresenta um banco de ar puro. A peça de mobiliário urbano foi projetada para criar uma bolha de ar limpo à volta dela.

A tecnologia prende as partículas num sistema de filtração antes que os gases poluentes sejam absorvidos: “Estudos recentes mostram que, mesmo que conseguíssemos reduzir as emissões em mais de 50% para apenas 10% vão continuar a existir hotspots em Londres que estão acima das diretrizes da OMS relativas ao dióxido de nitrogénio. A tecnologia é utilizada há muitos anos e não está a melhorar. Esta tecnologia pode ser uma boa ferramenta para reduzir a exposição em hotspots como nas beiras de estradas, nas escolas, hospitais e em toda a rede de transportes, onde as pessoas absorvem muitos poluentes todos os dias”, diz Sophie Power, CEO da Airlabs.

O fundador e CEO da Plume Labs, com sede em Paris, Romain Lacombe, utiliza o Flow – um dispositivo portátil que avalia a qualidade do ar e monitoriza os níveis de poluição: “a Wikipedia é uma enciclopédia construída pelas pessoas – nós estamos a tentar fazer exatamente a mesma coisa para o ar que respiramos. Através das pessoas é possível monitorizar o o nível de poluição na cidade, assim será possível construir um mapa das zonas onde onde é possível escapar da poluição, em tempo real. Vai ser útil não só para pessoas que vivem nas cidades e que querem reduzir a exposição, melhorar a saúde e bem-estar, mas também para os decisores políticos, para os presidentes de câmara, para as cidades.”

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2012, aproximadamente, 12,6 milhões de pessoas morreram por trabalhar ou viver num ambiente pouco saudável.

Os nossos destaques

Artigo seguinte

Sci-tech

Etiquetas das frutas e legumes substituídos por impressão laser na casca