Última hora

Última hora

Chegou finalmente a hora de reunificar Chipre?

Em janeiro, a ONU patrocinou uma nova ronda de negociações com vista à reunificação de Chipre. Mas a situação continua num impasse. O que está em jogo?

Em leitura:

Chegou finalmente a hora de reunificar Chipre?

Tamanho do texto Aa Aa

Segundo a mitologia grega, foi onde nasceu Afrodite. Mas não é uma história de amor aquela que Chipre tem vivido nas últimas décadas. Pelo contrário, a ilha mediterrânica foi palco de um conflito violento que ditou em 1974 a divisão entre a comunidade turca, instalada no norte, e a grega, no sul. No entanto, tudo pode mudar. No passado mês de janeiro, a ONU patrocinou uma nova ronda de negociações com vista à reunificação sob um sistema federal. Mas a situação continua num impasse. O que é que está precisamente em jogo?

Dezenas de milhares de habitantes foram deslocados entre o norte e o sul durante o conflito, perdendo casas e propriedades. O direito a indemnizações é uma das questões mais difíceis neste processo, assim como a partilha de poderes e a segurança, nomeadamente o destino dos 30 mil soldados turcos presentes no norte da ilha.

O Insiders foi até Chipre falar com cipriotas gregos e cipriotas turcos sobre a possibilidade de reunificação. Há quem garanta que isso nunca irá acontecer e há quem pretenda finalmente a paz. Se as conversações chegarem a bom porto, será organizado um referendo. A nossa primeira história é da autoria de Hans Von Der Brelie: Morfu, onde o braço de ferro cipriota se concentrou.

Falámos também com Fiona Mullen, analista da Sapienta Economics em Chipre. A primeira parte da entrevista é dedicada ao contexto político (ver “No Chipre, ‘os jovens cresceram a ver os outros como inimigos’”) e a segunda aborda as vantagens económicas de uma eventual reunificação (ver “Os cipriotas “‘podiam fazer muito mais se o país se reunificasse’”).

A verdade é que, para além da questão do entendimento, existe toda a vertente económica associada às oportunidades que uma reunificação poderia trazer. A ilha situa-se junto à Turquia, Síria, Líbano e Israel e, apesar de tudo, vive na estabilidade. Tem inúmeros pontos turísticos. Há reservas de gás por explorar. A força de trabalho é qualificada. E, no entanto, o investimento externo direto é praticamente inexistente. As vantagens económicas de uma ilha reunificada, é o tema da reportagem de Valérie Gauriat: A reunificação e o futuro económico de Chipre.