Última hora

Última hora

Team Sky e ainda Bradley Wiggins sob suspeita de recurso a doping em 2011

O contéudo de um misterioso pacote de medicamentos entregue ao ciclista pelo então médico da equipa no dia do triunfo na Criterium Dauphiné continua por esclarecer.

Em leitura:

Team Sky e ainda Bradley Wiggins sob suspeita de recurso a doping em 2011

Tamanho do texto Aa Aa

A equipa de ciclismo da Sky foi acusada esta quarta-feira de não ter guardado devidamente os registos completos dos seus corredores. A atual equipa de Chris Froome está a ser investigada pela agência britânica antidopagem (UKAD, na sigla original) devido a um caso de 2011 envolvendo a então estrela da equipa, Bradley Wiggins, e o médico da altura, Richard Freedman.

Em falta, estarão, em particular, os registos sobre um misterioso pacote de medicamentos entregues a Wiggins, há quase seis anos, no dia em que o britânico ganhou a clássica francesa Criterium Duphiné.

Nicole Sapstead, a diretora executiva da UKAD, contou na audiência desta quarta-feira perante a Comissão de Cultura, Media e Desporto que “a certa altura, durante aquela prova, foi solicitado pelo médico Richard Freedman um pacote”.

“E foi pedido a Shane Sutton (n.: então treinador da equipa) para providenciar a entrega desse pacote em França”, relatou Sapstead, implicando ainda Simon Cope, um antigo funcionário da federação britânica de ciclismo, como intermediário.

Em dezembro, o diretor da Sky, Dave Brailsford, havia dito à equipa de investigação ter sido informado pelo médico Richard Freedman que o pacote suspeito continua Fluimucil, um descongestionante respiratório legal.

O médico implicado no caso alega ter perdido os registos do pacote quando o seu computador portátil foi roubado em 2014, três anos após o caso e sem que tivesse, como deve, partilhado os registos com os outros médicos da equipa através de um arquivo privado da Sky na internet. Richard Freedman faltou à audiência desta quarta-feira por alegados motivos de saúde. e não pôde ser interrogado.

Sem os registos sobre o misterioso pacote, a diretora executiva da UKAD lamenta não poder confirmar a informação concedida por Brailsford no final do ano passado e vê-se por isso incapaz por enquanto de desfazer as suspeitas de recurso a “doping” por Bradley Wiggins em 2011, um ano antes de vencer a Volta a França em bicicleta.

As suspeitas sobre Bradley Wiggins e a equipa da Sky foram levantadas em setembro do ano passado depois de piratas informáticos supostamente russos terem revelado ficheiros médicos de diversos atletas ocidentais de alta competição.

Entre os desportistas cujos dados médicos foram revelados pelos “hackers” estão 10 norte-americanos, cinco britânicos, outros tantos alemães, um dinamarquês, um russo, um polaco, um romeno e a tenista checa bicampeã de Wimbledon Petra Kvitova.