Última hora

Em leitura:

Eleitores da Irlanda do Norte regressam às urnas


Reino Unido

Eleitores da Irlanda do Norte regressam às urnas

Os eleitores da Irlanda do Norte votam, pela segunda vez em menos de um ano, para eleger o parlamento regional, depois do desacordo que levou à queda do anterior.

O Partido Democrático Unionista, pró-britânico, e os nacionalistas do Sinn Féin, lutam pela liderança do governo.

A vitória pende para o lado dos primeiros mas a nova líder do segundo, já disse que não forma governo com a anterior primeira-ministra.

Nenhum dos dois quer o regresso de fronteiras rígidas, depois do Brexit. Mas para o Sinn Féin, esta pode ser uma janela para a reunificação e a permanência na União Europeia.

A posição de Londres é mais cautelosa:

“Pelos motivos que expus, não queremos ver emergir fronteiras rígidas, porque penso que a Irlanda do Norte ganhou muito com esse sentido de identidade, de política. Ganhou com essa habilidade que temos de permitir às pessoas atravessarem essas fronteiras, sem quaisquer problemas. E essa continua a ser a nossa ambição”.

O novo ato eleitoral foi desencadeado pela demissão do vice-primeiro-ministro, Martin McGuinness, do Sinn Féin, depois da Primeira-ministra, Arlene Foster, se recusar a abandonar o cargo, enquanto decorria uma investigação a um programa de incentivo à utilização de energias renováveis.

A lei irlandesa obriga a que o governo regional seja partilhado entre as fações republicana e unionista, ou seja, católica e protestante. Uma não pode governar sem a outra.

A principal candidata à vitória é Foster, que ocupava o cargo de Primeira-ministra, seguida por Michelle O’Neill, que substitui McGuiness que se afastou da política por motivos de saúde.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

EUA

Washington e Moscovo: Uma história de pirataria informática