Última hora

Em leitura:

PSA-Opel/Vauxhall: Um novo gigante automóvel europeu


Economia

PSA-Opel/Vauxhall: Um novo gigante automóvel europeu

A PSA Peugeot-Citröen oficializa a compra da Opel/Vauxhall à General Motors (GM), três anos depois de ter evitado a falência.

A aquisição das duas marcas e da filial financeira da GM, em parceria com o banco BNP Paribas, ronda os 2,2 mil milhões de euros.

O grupo PSA supera a rival gaulesa Renault e torna-se assim o número dois do setor automóvel na Europa, atrás da Volkswagen.

Na conferência de imprensa em Paris, com Mary Barra, da GM, o patrão da PSA, Carlos Tavares, afirmou: “Queremos criar um campeão automóvel europeu, através da combinação de uma empresa francesa e uma alemã. Estamos realmente comprometidos com estas marcas icónicas e as heranças alemã e britânica”.

A divisão europeia da GM acumulou, em 16 anos, perdas de 15 mil milhões de euros. No entanto, a PSA espera obter lucros dentro de três anos, através de sinergias e usando a própria experiência.

Tavares assegura que o encerramento de fábricas não está no programa.

O negócio foi saudado pelo Eliseu e satisfaz Berlim. Mas Brigitte Zypries, ministra alemã da Economia, pede: “O que é importante agora é criar mais transparência até ao encerramento das negociações futuras, para envolver ainda mais os sindicatos e a administração da Opel, para obter um bom resultado para a Opel na Alemanha”.

A Opel/Vauxhall tem seis centros de montagem, seis fábricas de peças e 40 mil funcionários em toda a Europa.

Os sindicatos franceses, alemães e britânicos estimam que o negócio favorece o emprego, mas mostram-se prudentes.

Len McCluskey, sindicalista britânico, estima: “Por esta altura no próximo ano, em meados do próximo ano, precisaremos de garantir a produção aqui de um novo modelo e será realmente um desafio para todos nós. É extremamente importante que a produção Vauxhall permaneça no Reino Unido”.

E qual será o impacto da saída do Reino Unido da União Europeia?

Face ao “Brexit”, o patrão da PSA mostra-se tranquilo: “Se for um ‘Brexit’ duro, em termos de estratégia, será uma excelente oportunidade para fornecer o mercado britânico com carros produzidos no Reino Unido”.

O negócio deverá estar concluído até ao final do ano. Mas durante um certo tempo, a Opel/Vauxhall continuará a usar tecnologia da General Motors.

Na Europa, o gigante norte-americano guardará o centro de engenharia em Turim, em Itália.