Última hora

Em leitura:

A PSA de Carlos Tavares adquire Opel e Vauxhall por 1,3 mil milhões euros


França

A PSA de Carlos Tavares adquire Opel e Vauxhall por 1,3 mil milhões euros

O grupo francês PSA, liderado pelo português Carlos Tavares, confirmou esta segunda-feira a compra da filial europeia da norte-americana General Motors (GM), por 1,3 mil milhões de euros.

O negócio inclui ainda uma parceria da detentora da Peugeot e da Citroën com o banco francês BNP Paribas para a aquisição das operações financeiras da GM na Europa por mais 900 milhões de euros.

O diretor executivo (CEO) da PSA promete libertar “o pleno potencial da Opel e da Vauxhall”, respeitar “a identidade das marcas e os respetivos legados britânico e alemão.”

Em conferência de imprensa, Carlos Tavares disse ainda confiar “no talento existente na Opel e na Vauxhall para acelerarem a recuperação de ambas as marcas” e garante não ser preciso fechar fábricas quando o objetivo é melhorar a produtividade.

O diretor executivo da PSA admitiu ainda um receio neste negócio devido às fábricas britânicas da Vauxhall e a perspetiva de um “brexit” duro, mas, acrescenta, este particular pode até revelar-se uma oportunidade para o futuro segundo maior fabricante da Europa.

 

Quem é Carlos Tavares?

Nasceu em Lisboa, a 4 de abril de 1963. A mãe foi professora no Liceu Francês e o pai trabalhou para a uma empresa gaulesa. Fez parte dos estudos no ensino secund´rio em Toulouse, França. Licenciou-se em Engenharia na École Central de Paris. Em 1981, foi contratado pela Renault como engenheiro de testes e por lá ficou três décadas, sendo responsável, por exemplo, pelo desenvolvimento do Mégane 2.

Casado e pai de três filhas, é o fundador e piloto da equipa Clementeam e sócio de uma empresa de Viseu especializada na reparação de modelos clássicos de carros. Depois de passar pela Nissan, como responsável da marca nas Américas, chegou a número dois da Renault. A um de abril de 2014 foi anunciado como diretor operacional do setor automóvel da PSA, cargo que acumula com o de administrador da Faurecia.

Defensor controverso dos motores a gasóleo num momento de grande preocupação ambiental, em março do ano passado protagonizou ainda outra polémica quando foi revelado um salário anual de mais de 5,2 milhões de euros na PSA, empresa que conta com uma participação de 13 por cento do Estado francês.
(Fonte: Dinheiro Vivo).

ALL VIEWS

Clique para descobrir