Última hora

Última hora

Alemanha receia nova "corrida às armas" entre os EUA e a Rússia

De visita a Moscovo, o chefe da diplomacia alemã disse estar "preocupado" com o risco de uma "nova corrida às armas" entre a Rússia e os Estados Unidos.

Em leitura:

Alemanha receia nova "corrida às armas" entre os EUA e a Rússia

Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha está preocupada com o risco de uma “nova corrida às armas” entre os Estados Unidos e a Rússia, numa altura em que as tensões crescem, com Washington a acusar Moscovo de violar “o espírito e a intenção” do tratado de não-proliferação de armas nucleares, assinado em 1987, ao alegadamente ter i“nstalado um novo míssil de cruzeiro, que pode atingir a Europa”:https://www.theguardian.com/world/2017/mar/08/russia-cruise-missile-violates-treaty-us-general. Uma acusação já rejeitada pelo Kremiln.

De visita a Moscovo, após um encontro com o homólogo russo, o chefe da diplomacia alemã, Sigmar Gabriel, afirmou estar “preocupado” com o “perigo de uma nova espiral de corrida às armas”, num momento em que o debate entre os dois lados assenta, por exemplo, na “forte presença militar da Rússia junto à região do Báltico e da Polónia” ou no “exorbitante aumento do orçamento de defesa dos Estados Unidos”, afirmou.

O conflito na Ucrânia foi outro dos temas centrais da conversa, com Gabriel a realçar que a “cada 50 segundos é disparado um projétil no Leste” do país e os dois responsáveis a defenderem o fortalecimento da missão da OSCE, que supervisiona o cumprimento do cessar-fogo.

Serguei Lavrov repetiu que a Rússia está disponível para discutir a questão da Ucrânia, salientando a necessidade de acelerar o processo para que as duas partes cumpram o estabelecido nos Acordos de Minsk, mas considerando que esse debate não deve ter lugar no Conselho NATO-Rússia, “criado para debater a segurança euro-atlântica”.

Os conflitos na Síria e na Líbia também foram abordados, tal como o tema da espionagem eletrónica, com Lavrov a afirmar que tenta não levar o telemóvel para “negociações relacionadas com temas sensíveis” e que, “por agora, parece que tal decisão” lhe permitiu “não estar numa situação desagradável”.