Última hora

Última hora

Funerais das vítimas do albergue guatemalteco para jovens

Pelo menos 37 jovens morreram no incêndio, que poderia ter sido provocado como protesto contra abusos vividos no albergue sobrelotado.

Em leitura:

Funerais das vítimas do albergue guatemalteco para jovens

Tamanho do texto Aa Aa

Com EFE, Prensa Libre e Diário de Guatemala

A Guatemala vive dias de luto enquanto enterra as 37 vítimas do incêndio do albergue para jovens Hogar Virgen de la Asunción, nos arredores da Cidade da Guatemala. A morte das jovens, com idades entre os 14 e 17 anos deixou o país em estado de choque.

O incêndio teve lugar esta quarta-feira. Pelo menos 20 jovens continuavam hospitalizadas em estado grave dois dias depois.


Pais e funcionários disseram que o incêndio começou quando algumas das meninas atearam fogo a colchões como forma de protesto contra os abusos que diziam sofrer no Hogar Seguro Virgen de la Asunción.

As chamas terão chegado à zona feminina do centro, onde algumas jovens estavam encerradas por terem tentado fugir.

A EFE diz que as jovens estavam encerradas numa pequena divisão de 4 metros por 4, uma informação confirmada pelo Procurador dos Direitos Humanos da Guatemala, instituição de promoção dos Direitos Humanos no país centro-americano.


Segundo El Periodico de Guatemala, o acidente fez com que o presidente guatemalteco pedisse uma reforma da rede nacional de abrigos para jovens.

O alberge dava abrigo a cerca de 800 jovens. A agência EFE diz que o centro teria capacidade para acolher um máximo de 400 jovens.

Para além de sobrelotada, a casa abrigo Hogar Seguro dava abrigo a jovens de várias idades, desde crianças pequenas a adolescentes, o que contraria a lei guatemalteca das vítimas de abusos.

Alguns dos menores do albergue eram órfãos, outros encontravam-se na instituição por serem conflituosos. Havia também vítimas de violência, crianças com dificuldades físicas e psicológicas e condenados por delitos.