Última hora

Última hora

Turquia e Holanda abrem "guerra diplomática"

Turquia e Holanda protagonizaram este domingo uma verdadeira “guerra diplomática”.

Em leitura:

Turquia e Holanda abrem "guerra diplomática"

Tamanho do texto Aa Aa

Turquia e Holanda protagonizaram este domingo uma verdadeira “guerra diplomática”.

Depois de ver recusada a visita ao território holandês, Mevlut Cavusoglu deslocou-se a um comício da diáspora turca na cidade francesa de Metz, durante o qual não hesitou em lançar um novo ataque a Haia.

O chefe da diplomacia turca afirmou que “na Holanda, a chamada capital da democracia […] é na realidade a capital do fascismo”.

A decisão de bloquear a visita de Cavusoglu e expulsar a ministra turca da Família – que pretendiam promover o “sim” no referendo sobre o reforço dos poderes do presidente turco – gerou protestos em Roterdão que degeneram em confrontos com a polícia.

Se, inicialmente, o primeiro-ministro holandês pretendia aliviar as tensões, acabou por mudar de ideias face ao tom assumido por Ancara. Mark Rutte disse que “vários políticos turcos usam palavras como nazismo ou fascismo a respeito da Holanda. Este país foi bombardeado pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. É completamente inaceitável falar dessa forma. Por isso, não haverá absolutamente nenhum pedido de desculpas. São eles que devem apresentar desculpas pela forma com atuaram”.

Mas, na Turquia, o presidente Recep Tayyip Erdogan voltou ao ataque e prometeu que Haia “pagará o preço” por fechar a porta aos seus ministros.

Em mais um comício para promover o reforço das competências executivas do chefe de Estado, Erdogan afirmou que “a Holanda não é nada como um país da União Europeia. Comporta-se como uma república das bananas. O mundo está a testemunhar como aqueles que dão lições à Turquia a respeito de Direitos Humanos, Estado de Direito e Democracia, durante anos, estão longe desses valores”.

As relações com a Alemanha também continuam tensas e, apesar de não haver uma posição oficial de Berlim, o ministro alemão do Interior disse numa entrevista, este domingo, opôr-se à realização de comícios turcos no país.