Última hora

Brexit: Parlamento Europeu adverte que não deve ficar de fora das negociações

O Parlamento Europeu adverte que os eurodeputados não devem ser excluídos das negociações, entre Bruxelas e Londres, que vão ditar a saída do Reino Unido da União…

Em leitura:

Brexit: Parlamento Europeu adverte que não deve ficar de fora das negociações

Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento Europeu adverte que os eurodeputados não devem ser excluídos das negociações, entre Bruxelas e Londres, que vão ditar a saída do Reino Unido da União Europeia.

O aviso do eurodeputado Guy Verhofstadt, indicado pela assembleia para participar nas conversações, ocorre um dia após o Parlamento britânico ter aprovado a lei que permite ao Governo de Theresa May acionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa.

“É fundamental que o Parlamento Europeu esteja envolvido nestas negociações desde o primeiro dia. No final, daqui a dois anos, temos de dar o nosso consentimento ao acordo final e será um momento muito difícil porque vai ocorrer dois meses antes das eleições europeias. Nós só aprovaremos este acordo final se estiver em linha com a nossa opinião e com as diretrizes que indicámos”, avisa Verhofstadt.

Após ser colocado em marcha o processo de saída, o tempo normal de negociações permitido são dois anos.

Nigel Farage, acérrimo defensor do Brexit, mostra-se preocupado com um eventual veto, por parte da Assembleia Europeia.

O britânico acredita que é necessário que os cidadãos europeus pressionem os eurodeputados.

“A ideia de que daqui a dois anos o Parlamento Europeu pode vetar todo este trabalho, dos governos de 28 Estados-membros, preocupa-me muito. Na minha opinião a Grã-Bretanha tem de sair e fazer campanha dura junto dos produtores de vinho franceses, dos fabricantes de automóveis germânicos, dos fabricantes de chocolate belgas… É necessário pressionar os eurodeputados e dizer: os nossos trabalhos, em França, Bélgica e Alemanha, dependem das exportações para o mercado britânico. Se fizermos isso, então, o Parlamento Europeu não se atreve a vetar o acordo, antes das eleições europeias”, espera Farage.