Última hora

Em leitura:

Do Japão para o mundo: a tecnologia mais recente


Sci-tech

Do Japão para o mundo: a tecnologia mais recente

Em parceria com

O repórter da euronews, Jeremy Wilks, esteve no coração de Tóquio para esta reportagem especial do Sci-Tech. Teve acesso a algumas das empresas japonesas que vão revelar as suas últimas inovações na CeBIT, a conferência tecnológica a ter lugar em Hanover na próxima semana.

Sapatos de realidade virtual e lâmpadas obedientes

A Cerevo está integrada num núcleo de empresas recentes que criam produtos para a Internet of Things.
A empresa tem um vasto leque de aparelhos ligados à internet, incluindo uma lâmpada controlada por comando de voz e sapatos de realidade virtual.

Takuma Iwasa, CEO da Cerevo, ordena a um candeeiro que se ligue faz-se luz. A seguir, explica um inovador par de sapatos: “Os sapatos são o primeiro par de calçado do mundo de realidade virtual. Incorporam muitos e diferentes tipos de sensores. O motor está dentreo dos sapatos. Quando calçamos os sapatos e andamos com eles pelo mundo de realidade virtual, pode sentir-se a superfície desse mundo de realidade virtual: “Oh, olha uma pedra, olha, é madeira, agora é neve – uma coisa deste género.”

Reciclar papel sem usar água<\h3>

Um total de 118 companhias japonesas estão a caminho para a conferência da CeBIT em Hanover. Muitas delas vão apresentar produtos que já estão no mercado aqui no Japão, mas ainda por estrear no mercado europeu.

Um desses produtos é uma máquina da Epson que transforma papel usado em papel reciclado, pronto a usar de novo em minutos, sem uso de água.

“Deixe-me falar-lhe do Paperlab. Aqui está algum papel que foi usado aqui no escritório e que tem informação confidencial escrita. Pomo-lo na máquina e é então transformado nesta fibra usando a nossa tecnologia, – a nossa máquina trabalha sem água – e depois as fibras são ligadas e moldadas, antes de se tornarem no produto final, que é papel como este aqui”, exemplifica com entusiasmo Shigeo Fujita, Director do Projecto Paperlab, Epson.

Com o Paperlab, os escritórios podem reciclar o seu próprio papel. A Epson está a promovê-lo como a máquina indispensável para firmas que queiram apagar documentos antigos que contenham segredos empresariais.

Fujita sabe que a confidencialidade e a redução de custos são aliciantes: “Hoje em dia o cliente paga muito caro o tratamento de informações confidenciais para que sejam apagadas, enquanto que com o Paperlab o nosso cliente pode apagar logo o que queira no seu escritório.”

Do Japão para o mundo<\h3>

Os japoneses vão estar na CeBIT para demonstrar o know-how e promover um novo conceito governamental chamado “Sociedade 5.0”, uma visão de um mundo digital avançado.

O patrão da Hitachi, Toshiaki Higashihara, que representa a TI e indústria electrónica japonesas, explica os objetivos: “O Japão tem uma mais valia no campo da tecnologia física, tal como materiais, nanotecnologia e sensores. Fundindo estas tecnologias, gostariamos de concretizar a Sociedade 5.0 rapidamente e, ao fazer isso, resolver os dramas sociais globais e expandir o conceito mundialmente.
Espero que possamos colaborar com pessoas de todo o mundo e criar uma oportunidade para muita inovação.”

Outro produto a estrear-se na CeBIT é o sistema de rastreamento da Hitachi.
O conceito é reunir, de modo anónimo, dados sobre como se deslocam as pessoas, em que direção e com que rapidez, para ajudar a gerir multidões em espaços públicos.

Ichiro Aryama, chefe arquiteto do sistema de rastreamento de fluxo da Hitachi, fala sobre a inovação: “É um sistema que usa lasers para fazer monitorização do movimento de pessoas e de objectos, sem que tenham de usar qualquer tipo de sensor. Usando os resultados desta monitorização pode pesquisar-se como as pessoas se movimentam. Por exemplo, estes pontos vermelhos mostram duas pessoas e este ponto sou eu. À medida que recuo, pode monitorizar o meu percurso, a minha velocidade de movimento, e gerar dados.”

Acordar bem e saber de tudo? Um robot, por favor<\h3>

Enquanto muitos dos novos produtos serão vendidos a companhias e clientes governamentais, outras inovações são direcionadas diretamente para àvidos consumidores de tecnologia.

Iwasa, CEO da Cerevo, não duvida de que o futuro passa pela sua empresa: “É um robot doméstico com um projector. Pode andar pela casa toda sozinho. Assim, pode sair do ponto de carregamento para o seu quarto, todos os dias às 7 da manhã e pode ouvir música e ver como está o trânsito no tecto do quarto, ainda antes de se levantar. Este é o futuro do nosso produto.”

Todo o tipo de inovação japonesa estará na conferência da CeBIT, em Hanover, na próxima semana. Veja aqui na euronews e em euronews.com.”

Os nossos destaques

Artigo seguinte

Sci-tech

O potencial dos drones e das redes 5G na feira de aparelhos móveis de Barcelona