Última hora

Em leitura:

60° aniversário do Tratado de Roma: Polónia ameaça estragar a festa


Polónia

60° aniversário do Tratado de Roma: Polónia ameaça estragar a festa

É uma Europa em plena crise de identidade e de confiança que se prepara a celebrar este fim-de-semana, em Roma, os tratados fundadores. Esta Europa começou a seis e foi fazendo entrar mais 22. 60 anos depois são 28, com o primeiro a bater com a porta. Para além do Brexit – um duro golpe na construção europeia – as tensões entre Bruxelas e Varsóvia podem estragar a festa.

“A Europa tem que ser uma só, indivísivel e fortalecida pela força de todas as nações soberanas que são os estados membros. Criar divisões artificiais, fala de várias velocidades não vai produzir os efeitos esperados. Só pode conduzir à rutura da nossa cooperação em vez de a profundar”, reitera a primeira-ministra polaca, Beata Szydlo.

Só que em termos de divisões, a Polónia não tem lições a dar aos seus parceiros. Por exemplo, Varsóvia opôs-se à reeleição de Donald Tusk – polaco – à presidência do Conselho Europeu, recusando mesmo assinar as conclusões da reunião dos chefes de Estado.
Para além disso, ameaça não assinar também a declaração final do Tratado de Roma. E conta com o apoio do grupo de Visegrad, a Hungria de Vitor Orban, a Eslováquia e a República Checa. Todos defendem a unidade da Europa contra as propostas das grandes capitais de uma Europa a várias velocidades.

Para a Polónia, caminharem todos juntos significa sobretudo não pôr em risco as ajudas financeiras que têm feito do país um campeão do crescimento económico.
Entre 2007 e 2013, a Polónia recebeu da União Europeia 81,5 mil milhões de euros. Entre 2014 e 2020 tornou-se no país que mais dinheiro recebe de Bruxelas, à frente da Espanha e da França, com um montante que ultrapassa o próprio orçamento de estado do país.
O PIB polaco duplicou entre 2004 e 2013. O crescimento económico é de 3,5% e o desemprego está abaixo dos 10%.

Em termos políticos o país está dividido. Uma parte da população opõe-se à deriva autoritária de poder que controla os media e a justiça. O paradoxo polaco é que o partido populista que governa terá interesse em manter-se políticamente fora do alcance de Bruxelas, mas não quer correr o risco de ver o país relegado para a segunda divisão do campeonato europeu.

“O risco geopolítico e de segurança é de nos tornarmos uma vez mais membros desta espécie de zona cinzenta da Europa central entre a Europa real e o império russo e encontrarmo-nos outra vez na situação a que tentámos escapar nos últimos 25 anos, desde a queda do comunismo”, explica o presidente do Instituto polaco dos Assuntos Públicos, Jacek Kucharczyk.

Tusk, o mal amado dos polacos, alerta os que querem “queimar pontes”, que “há caminhos, que, uma vez tomados, não têm volta”. Um recado que parece seguir direto para Varsóvia.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Vaticano

Em Direto: Papa Francisco encontra-se com líderes europeus no Vaticano