Última hora

Em leitura:

Eleições legislativas antecipadas na Bulgária


Bulgária

Eleições legislativas antecipadas na Bulgária

Mais de 12.000 colégios eleitorais da Bulgária abriram portas este domingo para as eleições legislativas antecipadas, as terceiras em quatro anos. Os quase 7 milhões de búlgaros têm até às 20h, hora local, para escolher entre os 20 partidos e alianças para formar o novo parlamento.

É pouco provável que um só partido consiga uma maioria para governar sozinho.
O ex-primeiro-ministro Boiko Borisov, líder do conservador Cidadãos pelo Desenvolvimento Europeu da Bulgária tem como principal rival a candidata do Partido Socialista (BSP), Kornelia Ninova. As sondagens mais recentes davam uma ligeira vantagem aos conservadores, com 31,2% dos votos, na frente dos socialistas (28,1%).

“Votei pela mudança, pela segurança nas nossas fronteiras e casas, pela justiça, educação para todas as crianças, pelo acesso aos cuidados de saúde para todos, sem pressões para as pequenas e médias empresas, mais emprego e melhores salários”, garantiu Kornelia Ninova depois de votar.

Estas eleições estão a ser marcadas pelo aumento da tensão entre a Bulgária e a Turquia: Sofia acusa Ancara de interferir na política interna búlgara ao enviar turcos étnicos búlgaros para votar, mas Ancara diz que Sofia está a pressionar a minoria que vive no país. Depois de votar, Boiko Borisov garantiu que “se os búlgaros decidirem que nós devemos governar vamos ter a oportunidade de falar muito sobre a Turquia nos próximos dias. Muitas coisas foram feitas pela Europa e pela Turquia para manter a paz e a segurança. Estas ações tiveram um efeito desastroso para a Bulgária”.

A minoria turca na Bulgária inclui cerca de 700.000 pessoas (entre 10% a 13% da população), uma herança da prolongada soberania otomana nos Balcãs. Perto de 200.000 turcófonos de origem búlgara e dupla nacionalidade vivem ainda na Turquia, e um terço participa regularmente nas eleições búlgaras.

Rússia

Rússia: Líder da oposição detido em Moscovo