Última hora

Última hora

Em leitura:

Festival de Genebra, onde os direitos humanos encontram o cinema


cinema

Festival de Genebra, onde os direitos humanos encontram o cinema

É um ponto de encontro cinematográfico privilegiado, sendo também um fórum sobre direitos humanos, a temática que motiva este Festival Internacional de Cinema de Genebra. Ao longo dos últimos 15 anos, o evento tem sido organizado em paralelo com a sessão plenária do Conselho dos Direitos Humanos da ONU que decorre também em março na cidade suíça.

A diretora do festival, Isabelle Gattiker, diz-nos que “em 2017, não é possível ser-se indiferente: temos todos de nos envolver na atualidade, temos de reagir, cada um à sua maneira. Seja apoiando uma associação, seja escrevendo cartas, seja denunciando o que passa no mundo. Todos somos atores neste mundo”.

A realizadora franco-britânica Manon Loizeau venceu o prémio “World Organization Against Torture” (OMCT) pelo documentário “Silent War”, onde se contam as histórias de mulheres violadas nas prisões de Bashar al-Assad, na Síria.

Para Loizeau, o regime sírio comete “o crime perfeito, porque as mulheres são violadas e, quando saem das prisões, não podem falar sobre o que aconteceu, porque são rejeitadas pela própria família e vítimas de crimes de honra. Não é um filme sobre as violações, mas sim sobre as mulheres sírias, sobre os sonhos da revolução e como elas sobrevivem hoje em dia”.

O prémio Gilda Vieira de Mello, em honra do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto em Bagdad em 2003, foi para o documentário “I Am Not Your Negro”, do haitiano Raoul Peck, também nomeado para um Óscar.

A obra baseia-se nos escritos do ativista americano James Baldwin sobre os percursos de Malcolm X, Martin Luther King e Megdar Evers.

Peck salienta que “Baldwin diz no filme que a indústria do entretenimento, incluindo a televisão, é idêntica à indústria da droga. Só nos damos conta quando constatamos quantas horas as pessoas passam a ver reality shows. Há uma grande disseminação da ignorância”.

Outro dos destaques foi o filme “500 anos”, sobre a história do povo maia na Guatemala e o processo do antigo presidente Efraín Ríos Montt, julgado por genocídio.

A realizadora americana Pamela Yates sublinha que “vivemos numa altura em que se resiste a governos autoritários, seja nos Estados Unidos, América Latina ou Europa. O cerco à sociedade civil está a apertar-se. Há muito a aprender com a sabedoria dos maias para organizarmos a nossa resistência”.

O festival homenageou ainda o trabalho do realizador cambojano Rithy Panh em torno do sangrento regime do Khmer Vermelho.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Festival de Cinema sobre Direitos Humanos premeia documentário rodado na Síria

cinema

Festival de Cinema sobre Direitos Humanos premeia documentário rodado na Síria