Última hora

Em leitura:

Sérvia: Primeiro-ministro prestes a tornar-se presidente


Sérvia

Sérvia: Primeiro-ministro prestes a tornar-se presidente

A Sérvia vai a votos.

Este domingo, cerca de 6 milhões e 800 mil eleitores escolhem quem vai ser o próximo presidente do país.

O primeiro-ministro, Aleksandar Vucic, está na corrida e pode tornar-se no novo chefe de Estado.

As sondagens mostram que o antigo ministro da Informação, na fase final do regime de Slobodan Milosevic, conseguirá obter mais de 50% dos votos, evitando uma segunda volta.

Vucic é o líder do conservador Partido Progressista é o político mais popular do país, mesmo depois de ter implementado, desde 2014, medidas de austeridade com o objetivo de estabilizar a economia e as finanças do país.

Desde 2015 negoceia a entrada da Sérvia na União Europeia.

Na corrida à presidência estão mais dez candidatos que acusam o atual primeiro-ministro de tentar ter o controlo absoluto do país.

Entre os dez rivais de Vucic está o ultranacionalista e seu antigo mentor político, Vojislav Seselj.

O líder do Partido Radical Sérvio é contra a adesão do país ao bloco europeu e defende o estreitar dos laços com a Rússia.

Mais ao centro, está o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Vuk Jeremic. O ex-chefe da diplomacia reúne o apoio dos setores nacionalistas moderados.

Na corrida está, também, o Provedor do Povo, Sasa Jankovic, muito popular entre as elites urbanas e intelectuais.

A surpresa do escrutínio está relacionada com Luka Maksimovic, um estudante de comunicação, de 25 anos, que criou a personagem Ljubisa Beli Preletacevic (sendo que Beli significa branco e Preletacevic é o que se chama a alguém que troca de partido por ganhos pessoais).

Beli apresenta-se como o candidato antissistema, tem mobilizado o eleitorado jovem e parece estar a captar o voto de protesto dos sérvios.

Com: EFE; AFP

Venezuela: oposição mantém protestos apesar de Supremo Tribunal anular tomada de poderes do Parlamento

Venezuela

Venezuela: oposição mantém protestos apesar de Supremo Tribunal anular tomada de poderes do Parlamento