Última hora

Em leitura:

O dilema de Gibraltar face ao Brexit


Reino Unido

O dilema de Gibraltar face ao Brexit

Como se as negociações do Brexit não fossem já suficientemente complicadas, Bruxelas lançou mais uma acha na fogueira com a questão de Gibraltar, ao estipular no roteiro da União para a saída do Reino Unido que o futuro do rochedo está dependente da luz verde de Madrid.

Foi o suficiente para fazer eclodir as tensões recorrentes entre Londres e Madrid por causa destes quase 7 quilómetros quadrados de território. Gibraltar é oficialmente território britânico desde 1713, altura em que foi estabelecido o tratado de Utrecht.

Os 33000 habitantes do rochedo votaram a 96% para ficarem na União Europeia no referendo sobre o Brexit, em junho passado. Mas em 2002 tinham votado a 99% para continuarem a pertencer ao Reino Unido. Duas escolhas incompatíveis face ao cenário atual.

Aquando do referendo de 2002, a Espanha, que sempre reivindicou a possesão de Gibraltar, tinha proposto uma soberania conjunta. Os gibraltinos rejeitaram, escolhendo a Grã-Bretanha.

Madrid tenta aproveitar a brecha do Brexit. A Espanha tem meios de fazer pressão através do isolamento do território, apesar dos 10 mil trabalhadores que vivem do lado espanhol e trabalham em Gibraltar.. Em 2013, num dos muitos diferendos entre Londres e Madrid o controlo das fronteiras foi reforçado, o que provocou filas de trânsito monstruosas.

E o isolamento é um dos maiores receios dos gibraltinos. Pequeno paraíso económico e fiscal, Gibraltar vive praticamente em pleno emprego. Os impostos sobre as 18 mil empresas registadas são apenas de 10%, bem menos que os 30% em Espanha ou os 25% da Grã-Bretanha.

Muitos Gibraltinos gostariam de ver em Theresa May a fibra da dama-de-ferro dos anos 80, quando foi preciso defender as Malvinas. O ex-líder conservador, Michael Howard disse-o claramente na imprensa britânica:
“Faz esta semana trinta e cinco anos que outra primeira-ministra enviou as suas forças armadas a cruzarem o mundo para defender a liberdade de outro grupo de cidadãos britânicos noutro país que fala espanhol. E tenho a certeza que a nossa primeira-ministra mostrará a mesma convicção pondo-se ao lado das pessoas de Gibraltar”.

Mas Theresa May não é Margareth Tatcher e a Espanha não é a Argentina. E como não se pode ter tudo, os gibraltinos terão talvez que decidir se querem ser cidadãos britânicos fora da União ou cidadãos espanhóis da União Europeia.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Reino Unido

Chefe dos negociadores da UE desvaloriza tensão sobre Gibraltar