This content is not available in your region

"Limpeza preventiva": Chechénia acusada de deter e torturar mais de 100 homossexuais

Access to the comments Comentários
De  Euronews
"Limpeza preventiva": Chechénia acusada de deter e torturar mais de 100 homossexuais

<p>Mais de uma centena de homossexuais terão sido detidos e torturados, alguns até à morte, pelas autoridades da república russa da Chechénia, no quadro de uma operação secreta lançada em março. </p> <p>Uma investigação do jornal russo <a href="https://www.novayagazeta.ru/articles/2017/04/04/72027-raspravy-nad-chechenskimi-geyami-publikuem-svidetelstva">Novaya Gazeta</a> (NG), baseada em vários testemunhos, revela os contornos da vaga de repressão homofóbica que teria provocado pelo menos três mortos.</p> <p>A operação, segundo o NG, classificada de “limpeza preventiva” e supostamente comandada pelo presidente do parlamento checheno, Madomed Daoudov, teria como objetivo evitar a organização de marchas do “orgulho gay” no território.</p> <p>As informações foram rejeitadas como “uma mentira” pelo porta-voz de Ramzan Kadyrov, o presidente checheno. Segundo Alvi Karimov, “não se podem deter e perseguir pessoas que não existem nesta república”.</p> <p>O jornal revela que mais de uma centena de pessoas encontrar-se-iam detidas em prisões secretas nos arredores de Grozny, obrigadas a denunciar outros homossexuais, sob tortura com choques elétricos ou violência física.</p> <p>As revelações, confirmadas por várias <span class="caps">ONG</span>s locais, levaram o Conselho da Europa e o Departamento de Estado norte-americano a exigir a Moscovo que investigue a situação. As organizações Amnistia Internacional e Human Rights Watch exigiram igualmente a abertura de um inquérito às alegações.</p>