Última hora

Em leitura:

Erdogan critica OSCE e justifica-se face a ultranacionalistas a dois dias de referendo crucial


Turquia

Erdogan critica OSCE e justifica-se face a ultranacionalistas a dois dias de referendo crucial

A Turquia vota no domingo num referendo crucial acerca da eventual passagem de um sistema parlamentar para um regime presidencialista.

Com as últimas sondagens a indicarem um empate técnico entre o “sim” e o “não”, o presidente turco tem multiplicado as intervenções para defender as reformas constitucionais que resultarão num fortalecimento dos seus poderes.

Num comício em Konya, Recep Tayyip Erdogan atacou a Organisação para a Segurança e Cooperação na Europa, depois desta destacar que a consulta popular decorre sob o estado de emergência que “reduziu as liberdades fundamentais” no país. Erdogan afirmou que a OSCE “devia saber o seu lugar”, acrescentando que essa “não é a sua função”.

A OSCE vai observar o escrutínio, que será também acompanhado por uma delegação do Conselho da Europa. Temendo que uma vitória do “sim” resulte no reforço da deriva autoritária de Erdogan, a oposição também tem multiplicado os comícios na reta final da campanha.

Em Istambul, o líder do Partido Republicano do Povo, Kemal Kilicdaroglu, afirmou que os turcos “não devem jogar com o futuro das suas crianças”, nem “sacrificar a hipótese de ter oportunidades iguais, igualdade face à Justiça e o direito de pedir contas às autoridades”.

O eleitorado ultranacionalista poderá ter a chave do escrutínio e, por isso, Erdogan negou, esta sexta-feira, querer transformar a Turquia num Estado federal. Tradicionalmente contra o presidente, o partido da direita ultranacionalista MHP, anti-federalista, deverá aliar-se ao “sim” no referendo.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Espanha

Sevilha: Pânico em ritual de Sexta-feira Santa faz 17 feridos