Última hora

Última hora

Made in Marocco: Tournée Africana

Ruanda, Tanzânia e Madagáscar - três etapas de uma missão empresarial de vasta envergadura

Em leitura:

Made in Marocco: Tournée Africana

Tamanho do texto Aa Aa

Ruanda: a primeira etapa

allviews Created with Sketch. Point of view

"Esta iniciativa reúne investidores e empresários dos dois países, promove a troca de experiências. É uma forma de estreitar a colaboração e reforçar o investimento"

O Ruanda foi a primeira etapa da segunda edição do African Business Connect. Um forum de negócios organizado pelo BMCE Bank of Africa e Maroc Export .

É a primeira missão de negócios desta envergadura que se realiza no Ruanda, um país com uma população de cerca de 12 milhões de habitantes.

Uma delegação constituída por mais de 120 pessoas, entre as quais representantes de 80 empresas, deslocou-se ao país das mil colinas para tomar o pulso a uma das mais dinâmicas economias do continente africano.

Para o presidente da Federação Ruandesa do Sector Privado, Benjamin Gasamagera, se existe um “Made in Marrocos”, é tempo de lançar um “Made in Rwanda”:

“Este é um programa que levamos muito a sério, para o qual olhamos com muitas expectativas. É um programa de transformação e o setor privado ruandês está apostado em encontrar formas de o tornar realidade. “

Tanzânia

Dar es Salaam, Tanzânia – a segunda etapa desta missão empresarial, a cerca de 1400 quilómetros de Kigali.

220 empresas locais responderam ao convite da delegação marroquina. Foram realizadas 1120 reuniões entre empresários, o dobro dos encontros registados no Ruanda.

“Esta iniciativa reúne investidores e empresários dos dois países, promove a troca de experiências, permite conhecer as oportunidades que se abrem em ambos os países. É uma forma de estreitar a colaboração e reforçar o investimento”, disse o ministro das Finanças e Planeamento de Zanzibar, Khalid Salum Mohamed.

Madagáscar

A delegação deixou Dar es Salaam, rumo a Antananarivo, em Madagascar, a terceira e última etapa do African Business Connect, na África Austral.

Esta terceira etapa foi marcada pela participação de cerca de 350 empresas malgaches que operam em diversos setores, incluindo a energia, transporte, infra-estruturas básicas, agricultura e água.

Para o primeiro-ministro de Madagáscar, Olivier Mahafaly Solonandrasana, “A reunião de hoje é o símbolo do sucesso da cooperação entre os países do Sul. Marrocos fez um progresso muito importante no campo económico e nós em Madagáscar queremos entrar na mesma dinâmica e impulsionar a economia malgache.”

Cooperação

O objetivo era também pôr em destaque o potencial de cooperação entre Marrocos e estes países em vários campos: indústria metalúrgica, serviços financeiros, construção, imobiliário, saúde e energias. Foram realizadas várias reuniões para desenvolver o potencial de exportação e internacionalização das empresas marroquinas. Os resultados dessas reuniões são muito positivos:

“Queremos explorar oportunidades de parceria com operadores malgaches, a fim de apoiar iniciativas na área digital na qual somos pioneiros”, afirmou Hicham Bendahir, diretor de negócios da M2M Group.

Para Hafid Khedidj, diretor de exportações da Energy Transfo, “A importância desta missão é precisamente explorar novos mercados em que estamos presentes indiretamente, por meio de distribuidores europeus.São mercado que não conhecemos, face aos quais tínhamos muitas apreensões, tendo em conta, principalmente, a concorrência asiática.”

Os empresários marroquinos manifestaram a intenção de investir em sectores de crescimento, como a construção, novas tecnologias, energias e produtos farmacêuticos.

Para o Maroc Export e o BMCE Bank of Africa, co-organizadores desta missão de negócios, os resultados superam as expectativas. Está já a ser planeada uma nova missão empresarial nesta região.

“Estamos todos empenhados em cooperar, trocar informações e conhecimentos, desenvolver certas indústrias, setores comuns de ambos os países e da região”, disse Zahra Maafiri, responsável do Maroc Export.

Resultados

Cerca de 80% dos operadores marroquinos estariam interessados em investir primeiro no Ruanda. Quanto à Tanzânia, são menos de 20%. O Madagáscar conquistou mais de 60% dos potenciais investidores marroquinos.

O African Business Connect irá continuar a colocar a experiência e as redes do grupo BMCE Bank of Africa ao serviço do desenvolvimento internacional das empresas marroquinas, organizando novas missões noutras regiões do continente africano.

Animada com novas perspetivas, a delegação voltou para Casablanca, depois de 14 horas de voo de Antananarivo.