Última hora

Em leitura:

Batalha por Mossul: Exército iraquiano arrasa jiadistas e retirada de civis prossegue


Iraque

Batalha por Mossul: Exército iraquiano arrasa jiadistas e retirada de civis prossegue

Prossegue no Iraque a batalha por Mossul. Com o ruído constante de tiros, as forças iraquianas continuam a avançar na parte ocidental da cidade e a expulsar os militantes do “daesh” da região, numa ofensiva que dura já há seis meses.

Os relatos do exército apontam para a reconquista de diversos bairros, com apoio da força aérea iraquiana e da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos. Há também o registo da morte de vários responsáveis militares dos jiadistas e da destruição de diversas redes de túneis e de esconderijos usados pelos militantes do grupo terrorista.

Surgiu, entretanto, um novo alerta para o uso de armas químicas pelo Estado Islâmico. Através da rede social Twitter, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão afirmou que “os terroristas voltaram a usar armas químicas, desta vez no Iraque”.

“Armas de destruição maciça nas mãos de extremistas é a maior das ameaças”, escreveu Javad Zarif.

Os Estados Unidos estarão já a analisar uma substância alegadamente usada pelos terroristas num ataque em Mossul no passado fim de semana.

Enquanto isso, prossegue também a evacuação das zonas arrasadas pelos combates entre as forças iraquianas e os militantes do “daesh”.

De acordo com o Gabinete de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (UNOCHA, na sigla original), quase meio milhão de pessoas foram já retiradas de Mossul desde o íncio da ofensiva em outubro. Outras tantas estarão ainda fora do alcance do exército iraquiano. Muitas delas, crianças.

Outros refugiados de Mossul, o leão Simba e o urso Lula, os últimos sobreviventes de um jardim zoológico privado em Mossul, estão já em segurança.

Numa operação conduzida pela organização de defesa animal “Four Paws” (“Quatro patas”), sediada em Viena, na Áustria, Simba e Lula foram resgatados com sucesso do Jardim Zoológico de Mossul, no Iraque, e estarão a adaptar-se bem, agora, na Jordânia.