Última hora

Esta semana o Business Planet viaja até Odense. Esta cidade dinamarquesa é, mundialmente, famosa pelos seus robôs. Há 25 anos, foi criado aqui um cluster, um verdadeiro ecossistema que evoluiu bastante e que tem sido desenvolvido por si, Mikkel Christoffersen.

A robótica na Europa

  • A Robótica é um mercado em rápido desenvolvimento com um forte impacto na capacidade da Europa para manter e expandir um setor fabril competitivo.
  • Oferece novas soluções para os desafios sociais como do envelhecimento da população ou a saúde, transporte inteligente, segurança, energia e meio ambiente.
  • O Odense Robotics Start-up Hub, na Dinamarca, é um exemplo de um ambiente propício para a robótica. Oferece apoio técnico, estratégico e financeiro e ajuda as novas empresas a preparar os seus produtos para o mercado e a criarem novos empregos.

Ligações úteis

O Odense Robotics é um “cluster” de investigação de empresas estabelecidas, de startups e de investidores. Somos, hoje, mais de 100 empresas com mais de 2600 funcionários a trabalhar em Robótica e Automação”, afirma o diretor do cluster.

Uma pequena empresa desenvolveu um pequeno robô, o Kubo. O robô foi projetado aqui e é fabricado na Dinamarca. A sua missão: ajudar as crianças, de três anos de idade, a ter noções básicas de programação, de sintaxe, compor música ou começar a adquirir as bases da matemática.

Segundo o presidente executivo da Kubo Robot, Tommy Otzen. “é necessário que elas tenham um conhecimento básico de codificação e robótica, pois terão de trabalhar com robôs quando arranjarem um emprego, no futuro”.

O Kubo foi desenvolvido, há apenas uns meses, por dois jovens empresários, estudantes de engenharia. Os dois aproveitaram, de imediato, a eficiência deste cluster.

“Nos próximos 3 meses vamos testar a produção em escolas, em toda a Dinamarca. Durante as férias de verão, vamos começar a aumentar as vendas por toda a Europa”, conta Otzen.

Graças a este cluster, esta empresa conseguiu reunir fundos e estabelecer sólido modelo de negócio, como confirma o presidente executivo da Kubo Robot. “Uma das especificidades do ecossistema robótico, aqui em Odense, é que uma empresa jovem e inexperiente, como a nossa, pode criar uma cadeia de fornecedores com o apoio das empresas existentes. Então, ao invés de gastarmos um ano com a produção, fizemos isso em 3 meses.”

Os investigadores apostam, cada vez mais, no desenvolvimento de robôs colaborativos que, com explica Mikkel Christoffersen, “é um robô que pode trabalhar com os seres humanos. Isso é, altamente, flexível e é, realmente, forte na automatização de Pequenas e Médias Empresas”.

O número de robôs colaborativos pode subir das 10.000 unidades, de hoje, para as 700.000 em 2025. Esta será uma das chaves para o aumento da competitividade do setor industrial na Europa. Além disso, existem fundos europeus de apoio à inovação e investigação, no campo da robótica.