This content is not available in your region

Manifestações contra Putin acabam com detenções em São Petersburgo

Access to the comments Comentários
De  Antonio Oliveira E Silva  com REUTERS E TASS
Manifestações contra Putin acabam com detenções em São Petersburgo

<p><strong>Com Reuters e <span class="caps">TASS</span></strong></p> <p><strong>Os ativistas da iniciativa <em>Open Russia</em> dizem que as autoridades russas detiveram mais de 100 pessoas em manifestações contra o presidente Vladimir Putin, organizadas com o lema “Estamos fartos dele”.</strong> <br /> <ul> <li>Centenas de manifestantes pediram a renúncia de Putin e mudanças no poder Federal</li> <br /> <li>Agência Estatal russa <span class="caps">TASS</span> fala em 250 manifestantes em Moscovo, ativistas mencionam 500.</li> <br /> <li>Manifestaram-se também contra estado da saúde pública, preços e desemprego</li> <br /> <li>Manifestações tiveram lugar também em cidades como São Petersburgo</li> <br /> <li>Autoridades recorreram a polícia antidisturbios nas principais cidades</li> <br /> <li>Ativistas dizem que mais de 100 pessoas foram detidas em São Peterburgo</li> </ul> <br /> Segundo a agência <a href="http://www.reuters.com/article/us-russia-opposition-protests-idUSKBN17V0A8">Reuters</a>, os protestos foram seguidos de perto pelas unidades da polícia antidisburbios, presentes no local.</p> <p>Os manifestantes distribuiram <strong>missivas</strong> em que pediam a renúncia do presidente e a <strong>renovação</strong> do poder Federal. <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Moscow police say 250 people take part in protest rally<a href="https://t.co/8UO0HU69nK">https://t.co/8UO0HU69nK</a></p>— <span class="caps">TASS</span> (@tassagency_en) <a href="https://twitter.com/tassagency_en/status/858312345302560768">April 29, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <br /> Gritaram palavras de ordem como <strong>“Estamos fartos dele”</strong> – o nome dado ao protesto. A ação foi organizada pelo movimento <a href="https://www.khodorkovsky.com/programmes/open-russia/">Open Russia</a>, fundado por *Mikhail Khodorkovsky*.</p> <p>Khodorkovsky chegou a pessoa <strong>mais rica</strong> da Rússia, mas passou uma <strong>década</strong> preso, condenado por fraude.</p> <p>Em <strong>2013</strong>, Putin ordenou que fosse posto em liberdade. Mikhail Khodorkovsky insiste em que a sua condenação foi levada a cabo por <strong>motivos políticos</strong>.</p> <p>Vladimir Putin tem dominado a política na Federação russa nos últimos <strong>17 anos</strong>.</p> <p>O presidente russo, agora com <strong>64 anos</strong>, ainda não confirmou se pretende candidatar-se às eleições de março de <strong>2018</strong>.</p> <p>No entanto, a <strong>elevada taxa de aprovação</strong> do presidente deixa antever uma nova candidatura. <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Open Russia’s Andrey Pivovarov: “As soon as we exited the Metro they surrounded us and began arresting us.” <a href="https://twitter.com/hashtag/ENOUGH?src=hash">#ENOUGH</a> <a href="https://t.co/IJhlK9paHz">pic.twitter.com/IJhlK9paHz</a></p>— Khodorkovsky Center (@mbk_center) <a href="https://twitter.com/mbk_center/status/858283255065444352">April 29, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <br /> Vários manifestantes expressaram apoio ao opositor <a href="https://twitter.com/navalny_en">Alexei Navalny</a>, que passou duas semanas preso no passado mês de março por ter participado nos <a href="http://pt.euronews.com/2012/04/11/russia-protesto-contra-putin-na-duma">maiores protestos contra o Governo desde 2012</a>. Mais de <strong>mil pessoas</strong> foram detidas na altura.</p> <p><strong>Mais de 100 detidos em São Petersburgo</strong></p> <p>Várias pessoas colocaram vídeos nas redes sociais onde podem ver-se manifestantes a serem <strong>detidos</strong> pela polícia na cidade de São Petersburgo.</p> <p>Os ativistas falam em mais de <strong>100</strong> detenções, embora não tenha sido possível à <span class="caps">EURONEWS</span> confirmar o número com fonte oficial.</p> <p><strong>Pressão das autoridades sobre o movimento Open Russia</strong></p> <p>Têm-se multiplicado, nos últimos meses, as ações de pressão sobre o movimento <strong><em>Open Russia</em></strong> da parte do Estado Russo.</p> <p>A <strong>Procuradoria-geral da Federação Russa</strong> (Ministério Público Federal) classificou, recentemente, as atividades da filial britânica do <strong><em>Open Russia</em></strong> eram “indesejáveis.” <br /> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">As <a href="https://twitter.com/hashtag/ENOUGH?src=hash">#ENOUGH</a> demonstrations begin to take place across Russia arrests begin and govt. blocks social media access. Heavy police presence. <a href="https://t.co/s2Cca1yrIV">pic.twitter.com/s2Cca1yrIV</a></p>— Khodorkovsky Center (@mbk_center) <a href="https://twitter.com/mbk_center/status/858239799873941504">April 29, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <br /> Esta semana, a polícia russa revistou os <strong>escritórios</strong> da filial do movimento em Moscovo. Entretanto, um canal de televisão nacional emitiu um <strong>documentário</strong> sobre os fundadores do <em>Open Russia</em>, durante o qual estes eram acusados de diversos crimes e de serem <strong>viciados em drogas</strong>.</p> <p>Os ativistas da iniciativa <em>Open Russia</em> disseram que o documentário mais não era do que <strong>propaganda.</strong></p>