Última hora

Em leitura:

"Cimeira da unidade" dos 27 aprovou orientações para o Brexit


A redação de Bruxelas

"Cimeira da unidade" dos 27 aprovou orientações para o Brexit

As linhas de orientação negocial para o Brexit foram adotadas numa cimeira extraordinária sobre o tema, este sábado, em Bruxelas, sem a presença do Reino Unido.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk disse que “precisamos de garantias sólidas para todos os cidadãos e suas famílias que serão afetados pelo Brexit, em ambos os lados. Esta deve ser a prioridade número um para a União Europeia (UE) e para o Reino Unido”.

O encontro é também uma oportunidade para sublinhar a coesão dos 27 países que vão manter-se na União, disse a chanceler alemã.

Angela Merkel sublinhou que “queremos manter boas relações com o Reino Unido no futuro, mas também queremos defender os nossos interesses como um todo. Até agora temos sido extremamente bem-sucedidos e penso que é um bom ponto de partida para as negociações”.

A convocação de eleições antecipadas no Reino Unido, para 8 de junho, a fim de reforçar o poder negocial da primeira-ministra britânica foi desvalorizado por Xavier Bettel.

O primeiro-ministro do Luxemburgo disse que “isso é um problema interno. Theresa May quer resolver a divisão no Partido Conservador sobre um Brexit duro ou suave. Quer que seja o “Brexit da Theresa”, com o apoio da população”.

O principal negociador do Brexit por parte da UE também quis enfatizar o mote da unidade.

Michel Barnier disse que “a defesa da nossa unidade não é feita em oposição ao Reino Unido, mas é do seu próprio interesse. Essa unidade demonstra que estamos juntos porque temos razões para ficarmos juntos no futuro”.

Naquela que é a sua última cimeira, François Hollande fez um paralelo entre o Brexit e o possível Frexit.

O Presidente francês em fim de mandato afirmou que “fora da Europa, tal como revela o Brexit, deixa de haver maior proteção, mais garantias e mercado interno. No casos dos países da zona euro, há menos euro”.

“O Brexit é uma regressão. Coloca-se esse risco nas eleições francesas de 7 de maio e os franceses devem, não só globalmente, mas individualmente, ter receio de uma saída da UE. Têm tudo a ganhar permanecendo na UE. Deste ponto de vista é verdade que as eleições de 7 de maio são também uma escolha europeia”.

O correspondente da euronews em Bruxelas, James Franey, acrescentou que “existe um raro sentimento de unidade entre os líderes europeus. No momento em que o processo para o Brexit se tornará mais sério, ao longo dos próximos meses, por certo haverá zangas e conciliação, mas está claro que vai ser preciso mais do que eleições legislativas no Reino Unido para que os restantes 27 da União mudem de posição nesta fase inicial”.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

A redação de Bruxelas

Cimeira do Brexit dará prioridade negocial aos direitos dos cidadãos