Venezuela: Milhares pedem a libertação de Leopoldo Lopez

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Venezuela: Milhares pedem a libertação de Leopoldo Lopez

<p>Milhares de venezuelanos saíram às ruas de Caracas, esta sexta-feira, em protesto contra o regime de Nicolas Maduro.</p> <p>Os manifestantes exigem a demissão do presidente e a libertação dos ativistas políticos, como Leopoldo Lopez.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Venezuelan opposition activists march to Leopoldo Lopez' jail <a href="https://t.co/6x8q9luXg1">https://t.co/6×8q9luXg1</a></p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/858054134574002177">April 28, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O protesto desembocou em frente da prisão de Ramo Verde onde o oposicionista está encarcerado há mais de três anos.</p> <p>“Disseram-nos que o Leopoldo está incomunicável, que está em isolamento, que não podemos visitá-lo e, dizem-nos que nem sabem quando poderemos visitá-lo, outra vez. Há mais de um mês que não sabemos nada. O Leopoldo está sequestrado pelo regime de Nicolas Maduro, pelos militares”, afirma a mulher de Leopoldo Lopez, Lilian Tintori.</p> <p>A marcha ocorre numa altura em que se intensificam os protestos contra Nicolas Maduro. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Sea of protestors headed to <a href="https://twitter.com/hashtag/RamoVerde?src=hash">#RamoVerde</a> prison to demand freedom for <a href="https://twitter.com/leopoldolopez"><code>leopoldolopez</a> and other <a href="https://twitter.com/hashtag/Venezuela?src=hash">#Venezuela</a> political prisoners. <a href="https://t.co/hRnl5fKQUU">pic.twitter.com/hRnl5fKQUU</a></p>&mdash; Antonio Mora (</code>AMoraTV) <a href="https://twitter.com/AMoraTV/status/858112249365495808">April 29, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>28 pessoas morreram, desde o início de abril, em consequência de confrontos entre os oposicionistas e as forças de segurança. Mais de 1300 pessoas foram detidas.</p>