Última hora

Em leitura:

Moon Jae-in é Presidente da Coreia do Sul e quer ir até à do Norte


Coreia

Moon Jae-in é Presidente da Coreia do Sul e quer ir até à do Norte

A Coreia do Sul elegeu Moon Jae-in como novo Presidente da República e no primeiro discurso oficial durante a cerimónia de empossamento, o primeiro liberal em quase uma década na presidência mostrou já ter agenda.

Moon Jae-in relevou o lado de especialista em defesa de Direitos do Homem ao anunciar-se disposto a visitar Pyongyang, se reunidas as condições, e a negociar com Washington e Pequim.

Os Estados Unidos são aliados de Seul e o sistema de defesa antimíssil montado no país intimida a China, importante aliado comercial da Coreia do Sul.

Tendo- se declarado disposto a uma presidência inclusiva mesmo para os que não o apoiam, Moon Jae-in parece ter pressa em apaziguar a tensão acumulada nos últimos meses na Península Coreana.

Jae-in sucede a Park Geun-hye, em julgamento num enorme escândalo de corrupção e destituída em Março.

Num país em que o eleitorado está dividido e isso se reflecte num parlamento fracturado, os 41 por cento garantidos por Jae-in para a vitória enfrentaram 24 por cento do candidato conservador leal a Geun-hye. O que era tido como concorrente directo de Jae-in, centrista, teve 21.4 por cento de votos. Contudo, a margem de vitória de Monn Jae-in é confortável.

Moon Jae-in vai precisar de acordos políticos e parcerias partidárias no parlamento para criar os antecipados 500 mil postos de trabalho ou reformar os conglomerados económicos geridos por clãs e atacar a corrupção que se tornou o elemento latente destas eleições.

A participação eleitoral teve números recorde nos últimos 20 anos, num país de divisão ideológica e geracional de 51 millhões de pessoas.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Chile

Estudantes chilenos pedem nas ruas reforma da Educação