Última hora

Em leitura:

Eleições no Irão: UE negligencia direitos humanos, diz analista


A redação de Bruxelas

Eleições no Irão: UE negligencia direitos humanos, diz analista

A União Europeia segue com atenção as eleições presidenciais no Irão às quais se recandidata o atual presidente Hassan Rohani, que levou a bom porto o acordo nuclear com as potências ocidentais.

A nova administração norte-americana ameaça pôr em causa o acordo, mas Klaus Buchner, eurodeputado do partido dos Verdes que trabalha nas relações com o Irão, sublinha que “não somos uma colónia dos Estados Unidos”.

“Temos uma política independente e penso que a União Europeia está muito empenhada em continuar a melhorar a situação”, acrescentou o membro do Parlamento Europeu.

Mas este sucesso não está a ser aproveitado politicamente por Bruxelas para fazer avançar outros domínios, sublinha Majid Golpour, um analista político da Universidade Livre de Bruxelas.

“Ao privilegiar o acordo nuclear, Rohani deixou de dar atenção a outros dossiês, entre os quais o dos direitos humanos no Irão. É preciso dizer que não sabemos porque é que há esta reticência, nomeadamente da Comssisão Europeia, em discutir a questão dos direitos humanos”, referiu o analista.

Majid Golpour também critica a falta de proatividade da União Europeia junto do Guia Supremo, o líder religioso que toma as principais decisões.

“Desde que se retomaram as negociações entre os EUA e o Irão, a administração Obama esteve ciente das relações de poder no Irão e estabeleceu relações diretas com o Guia Supremo da República Islâmica. Tanto a China como a Rússia, quando precisam de resolver problemas ao nível regional, contactam diretamente com a administração do Guia Supremo”, explicou o analista.

O principal adversário de Hassan Rohani é Ebrahim Raissi, um conservador que os analistas consideram ambicionar, mais que a Presidência, a sucessão ao Guia Supremo.

No acordo nuclear, concluído entre a administração Rohani e as potências mundiais do chamado Grupo 5+1, Teerão aceitou reduzir as atividades nucleares em troca do levantamento das sanções económicas, mas o esperado alívio económico ainda não se produziu.

Graças ao acordo nuclear, a retoma das exportações de petróleo permitiu, em 2016, um crescimento de 6,5% e a redução da inflação de 40% para 9,5%. Mas o investimento estrangeiro esperado continua por se concretizar e a taxa de desemprego atinge os 12,5% globalmente, 27% entre os jovens.

O acordo nuclear, aprovado pelo Guia Supremo, não é questionado por nenhum dos candidatos, mas os conservadores rejeitam a necessidade de investimento externo, defendendo uma “economia de resistência” assente no “made in Iran” e nos investimentos nacionais.

A situação das classes populares e o desemprego são explorados pelos conservadores, que prometem triplicar a ajuda aos mais desfavorecidos e criar um milhão de empregos, por ano.

Cerca de 56 milhões de eleitores estão convocados para as eleições, 2,5 milhões dos quais votam no estrangeiro.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

A redação de Bruxelas

UE reforça cooperação na defesa seguindo exigência da NATO