Última hora

Última hora

Ex-chefe do FBI nomeado para investigar Trump

Robert Mueller liderou a agência de investigação durante os atentados de setembro de 2001.

Em leitura:

Ex-chefe do FBI nomeado para investigar Trump

Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos já têm um investigador especial para averiguar as possíveis relações entre Donald Trump e a Rússia, tal como a possível interferência russa na campanha para as presidenciais. E não é qualquer pessoa. Trata-se do antigo diretor do FBI Robert Mueller, que liderou a agência de investigação durante os atentados de setembro de 2001.

Mueller foi apontado pelo Departamento de Justiça, depois da decisão de Donald Trump de demitir o diretor do FBI James Comey. Em resposta, o presidente americano emitiu um comunicado em que diz: “Uma investigação cuidadosa vai revelar o que já sabemos – que não houve ligações entre a campanha presidencial e qualquer entidade estrangeira”.

“Trazer alguém como Robert Mueller, que já trabalhou no FBI, e que vai trabalhar no processo do FBI significa colocar um decisor importante no processo. É uma decisão híbrida, porque permite ao pessoal de carreira do FBI continuar a trabalhar e, ao mesmo tempo, há uma pessoa independente a tomar as decisões finais, ao nível da direção”, diz James Lankford, senador republicano.

Os congressistas democratas aplaudiram a nomeação de Mueller para liderar esta investigação: “Fiquei muito contente. Em primeiro lugar, por ter sido apontado um investigador. Em segundo lugar, por ser Bob Mueller, uma pessoa com uma integridade sem defeitos”, diz Jim Hines.

Para John Conyers, também congressista do Partido Democrata, este “é um primeiro passo na direção certa, Esta administração e o novo presidente estão numa crise permanente. É uma coisa a seguir à outra”.

A demissão de Comey veio reforçar as suspeitas de ligações entre Trump e a Rússia. O presidente terá demitido o diretor do FBI depois de este se ter recusado a arquivar as investigações ao primeiro conselheiro de segurança nacional apontado por Trump, Michael Flynn, que acabaria por demitir-se depois da revelação de conversas com o embaixador russo.