Última hora

Última hora

Ministro russo nega revelações secretas de Donald Trump

Serguei Lavrov nega ter recebido do Presidente dos Estados unidos informações classificadas sobre operações do grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico.

Em leitura:

Ministro russo nega revelações secretas de Donald Trump

Tamanho do texto Aa Aa

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) da Rússia negou esta quinta-feira ter recebido do Presidente dos Estados Unidos quaisquer informações secretas. A denúncia partiu do jornal norte-americano Washington Post, tendo por base uma reunião mantida na semana passada entre Serguei Lavrov e Donald Trump, na Casa Branca, na qual o chefe de Estado teria revelado ao responsável pela diplomacia do Kremlin informação classificada sobre alegadas operações do grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico (“Daesh”/ ISIL).

Durante uma visita oficial ao Chipre, Lavrov foi confrontado pelos jornalistas pela denúncia e ironizou: “Tanto quanto me lembro, há um ou dois meses a administração Trump levantou um bloqueio à entrada com computadores em aviões de passageiros oriundos de sete países do médio oriente. Estava relacionado diretamente com uma ameaça terrorista. Se estão a falar disso, não vejo aqui nenhum segredo.”


O MNE russo disse ainda ter “a impressão de que muitos meios de comunicação norte-americanos apresentam os factos como se estivéssemos ainda nos tempos da União Soviética” e acrescentou não ver nada de mal em partilhar de informações relacionadas com terrorismo.

Na quarta-feira, o presidente russo também já tinha abordado o tema, disponibilizando-se para revelar a conversa entre Lavrov e Trump.

“Se a administração norte-americana autorizar, estamos preparados para entregar a gravação da conversa entre Lavrov e Trump ao Congresso e ao Senado dos Estados Unidos”, disse Putin, numa conferência de imprensa em Sochi com o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.


A disponibilidade do líder do Kremlin terá feito sorrir inclusive o ministro português da Defesa. “Posso dizer que vi e não escondo que sorri — embora estas coisas sérias não devessem justificar assim muitos sorrisos – com as declarações do presidente Putin acerca da possibilidade de ele disponibilizar o registo dessa reunião. Enfim, levo isso um pouco mais à conta do sentido de humor discutível do que propriamente de uma qualquer vontade de colaborar numa qualquer investigação que, tanto quanto eu sei, ainda não está a decorrer”, afirmou o ministro português em Bruxelas, no final de uma reunião dos responsáveis da Defesa da União Europeia.

Mais a sério, citado pela agência Lusa, José Alberto Azeredo Lopes recusou comentar, “do ponto de vista do Estado português, aquilo que por enquanto está estritamente no plano da alegação e da discussão quanto à ocorrência ou não dessa mesma partilha ou entrega de informações.”