Última hora

Em leitura:

UE reforça cooperação na defesa seguindo exigência da NATO


A redação de Bruxelas

UE reforça cooperação na defesa seguindo exigência da NATO

Face à pressão dos Estados Unidos da América (EUA) para maior envolvimento da NATO em missões sensíveis e maior contribuição dos aliados europeus nesse esforço, a chefe da diplomacia da União Europeia defende a mutualização dos meios.

“O investimento em conjunto é a melhor maneira de ter uma defesa europeia eficiente, de conseguir trabalhar de uma forma racional e eficiente ao nível da defesa”, disse Federica Mogherini à chegada apara a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros, quinta-feira, em Bruxelas.

“Os Estados-membros da União Europeia têm de acabar com a fragmentação e usar todos os instrumentos disponíveis na União”, insistiu a alta representante para a Política Externa e Segurança.

O secretário-geral da NATO esteve presente para analisar, com os ministros da Defesa, a agenda da primeira cimeira da organização com Donald Trump, a 25 de maio.

Jens Stoltenberg afirmou que “estamos a avançar, passo a passo, em várias áreas no sentido de reforçar a cooperação, em termos práticos, entre a NATO e a União Europeia”.

“A cooperação entre as duas partes será também uma questão importante que vamos debater quando os líderes da NATO se reunirem, exatamente daqui a uma semana, em Bruxelas”, acrescentou o secretário-geral da NATO.

Segundo fontes da agência de notícias Reuters, a França e a Alemanha estão céticas quanto ao plano dos EUA para que a NATO tenha um maior papel na luta contra os extremistas do Daesh, na Síria e no Iraque.

Outro tema importante na cimeira será a cooperação ao nível da cibersegurança, dado o número crescente de incidentes, tais como o ataque informático à escala mundial da semana passada.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

A redação de Bruxelas

"Breves de Bruxelas": voto contra Hungria e sinais para Ucrânia