Última hora

Em leitura:

Parlamento grego aprova mais austeridade


Grécia

Parlamento grego aprova mais austeridade

O parlamento grego votou e aprovou, 153 votos a favor, 128 contra, as novas medidas de austeridade. Os novos cortes, foram exigidos pelos credores para desbloquear 86 mil milhões de euros do pacote de resgate ao país. O executivo grego acredita que as novas medidas vão colocar o país no caminho do crescimento.

Quem não concorda são os gregos que, em Atenas, no exterior do parlamento, protagonizaram cenas de violência contra a polícia. Três pessoas acabaram detidas.

As novas políticas de austeridade incluem mais cortes nas pensões e nova subida nos impostos até 2020.

Um advogado, trabalhador independente, explica o que as novas medidas significam para os gregos:

“Quando um advogado ganha 100.000 euros o seu rendimento líquido, depois das contribuições para as pensões de impostos, é de apenas 20.000 euros. Com esses 20.000 euros tem de investir no seu trabalho, para voltar a ganhar os 100.000. Na Grécia não há advogado que ganhe, de facto, 100.000 euros por ano. Com este exemplo pode compreender-se a realidade das pessoas pobres “, explica Dimitris Petropoulos, um advogado de Atenas.

“Aquilo que ganho sofreu uma redução de 80%, não posso pagar nada, as minhas dívidas estão a aumentar, nós não temos mais dinheiro mas eles aumentam os impostos, eu não sei o que vai acontecer a partir de agora. Não acredito em ninguém, nem no SYRIZA nem na Nova Democracia”, desabafa Sissi Boukouvala, empresária.

“O governo grego pensa que estas medidas significarão o fim da crise económica e o regresso do país ao crescimento, no entanto os manifestantes veem os novos cortes como uma extensão, de longo prazo, na austeridade”, adianta o correspondente da euronews em Atenas, Michalis Arampatzoglou.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Brasil

Supremo autoriza investigação a Michel Temer